20:11 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1618
    Nos siga no

    O autoproclamado presidente interino venezuelano, Juan Guaidó, apelou nesta quinta-feira (7) à Europa para que o orgão intensifique as sanções econômicas contra o regime de Nicolás Maduro, após a expulsão do embaixador da Alemanha no país.

    "Os países europeus devem reforçar as sanções econômicas contra o regime. A comunidade internacional deve evitar que o dinheiro venezuelano seja utilizado para matar opositores do regime e povos indígenas", defendeu em entrevista à revista alemã Der Spiegel.

    Nessa quarta-feira (6), a Venezuela declarou "persona non grata" o embaixador da Alemanha em Caracas, Daniel Martín Kriener, a quem acusa de "recorrentes atos de ingerência" em assuntos internos, e deu ao diplomata 48 horas para sair do país.

    À Der Spiegel, Guaidó reiterou que "condena veementemente" a decisão e pediu ao embaixador para ficar na Venezuela.

    "A Venezuela vive sob uma ditadura e esta abordagem é uma ameaça para a Alemanha. Não é legítimo declarar um embaixador como indesejável", considerou Guaidó, que agradeceu à Alemanha "a ajuda humanitária que prestou".

    Daniel Martín Kriener foi um dos embaixadores europeus que receberam, segunda-feira (4), no Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, que regressava de viagem a vários países da região.

    "O regime não está apenas ameaçando verbalmente o embaixador, a sua integridade física também está ameaçada", disse Guaidó.

    Tags:
    sanções, Venezuela, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar