17:39 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Situação na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia em 24 de fevereiro de 2019

    Crise venezuelana pode ter fim 'sangrento' para Maduro, diz ex-fuzileiro naval dos EUA

    © REUTERS / Edgard Garrido
    Américas
    URL curta
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    421042

    Recentemente, o presidente Nicolás Maduro afirmou que a Venezuela está enfrentando "o imperialismo mais forte dos últimos 200 anos", bem como uma "agressão econômica, política e diplomática".

    Maduro ainda assegurou que "ninguém e nada pode acabar com a paz" na Venezuela.

    Robert O'Neill, aposentado fuzileiro naval, que se considera responsável pela morte de Osama bin Laden em 2014, estimou consequências fatais para o atual impasse político na Venezuela.

    "O que precisa acontecer é algo parecido com um golpe de Estado. Por mais que eu gostasse de ver [um final] sem violência, acho que vai acabar de maneira muito sangrenta para Maduro", afirmou O'Neill ao Fox Business.

    Para ele, o exército venezuelano está mantendo Maduro no poder e incentivando o líder da oposição e autoproclamado presidente Juan Guaidó para "mudar os militares de lado".

    "A maioria das pessoas, incluindo muitos dos militares, está com Guaidó […]", diz O'Neill.

    Esta especulação teve início depois que o presidente Nicolás Maduro acusou a oposição e as autoridades norte-americanas de estarem ansiosas para iniciar uma guerra por recursos naturais.

    "Eles querem pegar nossos recursos naturais. Eles querem desencadear uma ‘guerra pelo petróleo', invadir nosso território e impor suas regras aqui! Mas eles vão falhar!", escreveu Maduro no Twitter.

    Maduro também enfatizou que a Venezuela está lutando contra uma agressão interna, sabotagem e "tentativas de perturbação da vida do país".

    Recentemente, Juan Guaidó retornou à Venezuela após viagem por países latino-americanos, violando a proibição imposta a ele pela Suprema Corte venezuelana.

    Com relação ao assunto, Maduro anunciou que Guaidó pode ter de cumprir uma pena de mais de 30 anos de prisão, após o retorno do opositor ao país.

    Guaidó se declarou chefe de Estado interino da República Bolivariana em 23 de janeiro deste ano, sendo imediatamente reconhecido pelos EUA e depois por vários outros países, incluindo o Brasil, como tal.

    No entanto, apesar da pressão internacional, Maduro, reconhecido por China, Rússia, Cuba, Bolívia e outros países, está conseguindo se manter no poder, com apoio da maior parte da população venezuelana e também das Forças Armadas.

    Tema:
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)

    Mais:

    Evo: 'agressão armada' dos EUA contra Venezuela falhou
    Venezuela conseguirá derrotar minoria que tenta desestabilizar país, diz Maduro
    Trump prolonga sanções contra a Venezuela
    Tags:
    fuzileiros navais, banho de sangue, sangue, guerra, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar