02:22 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Mauricio Macri, presidente de Argentina

    Forbes: Argentina está 'à beira do colapso'

    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Américas
    URL curta
    23251

    A revista Forbes analisou os indicadores econômicos da Argentina em um relatório e concluiu que a Argentina está à beira da falência, principalmente em função da fuga de capitais.

    "A Argentina está a um passo de um colapso econômico (de novo)", diz Forbes no título da nota.

    Sabrina Sabrok dança durante a Parada Gay em Madrid, 1º de julho de 2006
    © AP Photo / Daniel Ochoa de Olza
    O cenário econômico do país sul-americano "pode ​​ser explicado pela sua dívida, que aumentou 20 pontos percentuais do PIB entre 2017 e o segundo trimestre de 2018, atingindo uma dívida pública de 77,4% do PIB, de acordo com a Cepal (Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe)", justifica Forbes.

    Ela lembrou que sete lojas fecham as portas todos os dias no país, porque entre 2015 e 2017, 3.190 empresas fecharam seus negócios, de acordo com a Administração Federal de Receita Pública.

    "Quando você cobra impostos muito elevados e produz serviços muito pobres cria uma desvantagem competitiva", disse à publicação o ex-ministro da Economia argentino, Lopez Murphy.

    O Fundo Monetário internacioanl (FMI) assinou um acordo com o Governo de Mauricio Macri, provocando uma queda do câmbio e a moeda local perdeu 88,4% do seu valor em relação ao dólar.

    O país sul-americano registrou no ano passado um déficit fiscal primário equivalente a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), três décimos a menos do que o acordado com o FMI.

    O déficit financeiro, que cobre o pagamento da dívida, atingiu no ano passado 727.927 milhões de pesos (18.956 milhões de dólares), 5,2% do PIB.

    Mais:

    Pressa em acordo com FMI prejudicou ainda mais economia argentina, diz especialista
    Argentina pede socorro e FMI pode melhorar acordo
    FMI aprova empréstimo de US$ 50 bilhões para Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar