18:37 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela

    Guaidó afirma que retornará à Venezuela após visita ao Equador

    © REUTERS / Manaure Quintero
    Américas
    URL curta
    33215
    Nos siga no

    O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, chegou à Colômbia em 23 de fevereiro desafiando a ordem da Suprema Corte venezuelana que o proibiu de deixar o país devido a uma investigação em andamento.

    O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse mais cedo nesta semana que Guaidó deve ir a julgamento após seu retorno por ter violado a ordem do Supremo.

    De acordo com a agência Reuter, Guaidó visitou o Paraguai e a Argentina na sexta-feira (1) em busca de apoio dos países latino-americanos a um governo de transição na Venezuela.

    Neste sábado (2), conforme citado pela agência Reuters, ele retornaria à Venezuela do Equador, onde ele participa de um encontro com o presidente Lenin Moreno.

    Guaidó também teria dito que ele deflagraria o processo eleitoral já na semana que vem na Venzuela. No entanto, o líder opositor não especificou a data de seu retorno.

    O representante especial dos EUA para a Venezuela, Elliot Abrams, disse em uma conferência de imprensa na sexta-feira (28) que Washington está preocupada com a possibilidade do retorno de Guaidó ao território venezuelano. Abrams também alertou sobre uma possível reação internacional caso de o autoproclamado presidente interino seja preso.

    De forma similar, a chefe de política internacional da União Europeia, Federica Mogherini, alertou neste sábado (1) que qualquer medida possível que coloque em risco a liberdade do líder da oposição venezuelana levaria a uma escalada da crise política e seria respondida com forte condenação internacional.

    Após tentativas falhas de levar ajuda humanitária coletada pelos EUA, Guaidó através da Colômbia, o líder opositor afirmou que planeja retornar ao seu país. De acordo com vice-juiz do Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela, Juan Carlos Valdez, Guaidó pode ser condenado a até 30 anos de prisão por ter violado a proibição de deixar o país.

    A situação da crise política na Venezuela teve uma escalada a partir do dia 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino em desafio ao mandato do presidente Nicolás Maduro, reeleito em 2018.

    Guaidó foi quase imediatamente reconhecido como presidente pelos Estados Unidos e países como Brasil, Argentina e Colômbia. No entanto, Maduro continua sendo considerado presidente legítimo por países como China, Rússia, Irã, Turquia, México, Uruguai, Bolívia e Cuba.

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tem afirmado que Washington está orquestrando um golpe para derrubá-lo através de Guaidó.

    Mais:

    Venezuela exige da Colômbia compromisso de não agressão para reabrir pontes na fronteira
    Chanceler do Brasil se diz pronto para discutir a situação na Venezuela com a Rússia
    EUA não querem uso da força na Venezuela, mas todas as opções seguem na mesa, diz oficial
    Sputnik na fronteira: como a crise na Venezuela afeta o Brasil? (EXCLUSIVO)
    Moscou: Venezuela é alvo de intervenção descarada nos seus assuntos internos
    Tags:
    crise na venezuela, União Europeia, Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela, Federica Mogherini, Juan Carlos Valdez, Lenin Moreno, Nicolás Maduro, Juan Guaidó, Colômbia, Equador, Bolívia, Washington, Caracas, Rússia, Brasil, Argentina, Uruguai, Turquia, Irã, Estados Unidos, China, EUA, México, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar