23:47 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela

    Juan Guaidó virá ao Brasil para se reunir com Bolsonaro, afirmam jornais

    © AP Photo / Fernando Llano
    Américas
    URL curta
    21210

    Autoproclamado presidente interino da Venezuela e presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó virá ao Brasil nesta quarta-feira, onde deve se reunir na quinta-feira com o presidente Jair Bolsonaro, de acordo com jornais da Venezuela e do Brasil, citando fontes da oposição.

    Guaidó está na Colômbia, onde participou no início da semana de encontros com o Grupo de Lima e com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence. Ele prometeu voltar a Caracas ainda nesta semana, mas antes passará por Brasília, segundo o jornal El Nacional.

    Em Bogotá, o Grupo de Lima descartou a possibilidade de intervenção militar na Venezuela, após um fim de semana de episódios violentos nas fronteiras com a Colômbia e com o Brasil. Contudo, os EUA mantiveram o discurso de que “todas as opções estão na mesa”.

    Guaidó conclamou a comunidade internacional a considerar todas as possibilidades em prol da queda do presidente Nicolás Maduro, no que foi entendido como um apelo em prol do uso da força para derrubar o governo. Ao jornal O Globo, o líder opositor tentou se explicar.

    "Nós nunca pedimos uma intervenção militar estrangeira. O que temos dito é que um conflito militar [com participação estrangeira] na Venezuela é uma possibilidade, que não desejamos, que não buscamos. Nosso propósito é justamente evitá-lo através de uma saída política e constitucional", declarou Guaidó.

    O presidente da Assembleia Nacional venezuelana já teve conversas reservadas com o vice-presidente Antônio Hamilton Mourão e com o chanceler Ernesto Araújo, e ainda não se sabem detalhes sobre a agenda que Guaidó terá com Bolsonaro em Brasília.

    Da sua parte, o governo brasileiro descartou a participação em qualquer ação militar contra Maduro – somente em caso de agressão de Caracas, conforme já declarou o general Augusto Heleno na semana passada –, preferindo uma saída diplomática e pacífica para a crise.

    Mais:

    Mourão: EUA não poderão usar território brasileiro em eventual intervenção na Venezuela
    Chanceler do Brasil diz que Venezuela tem ditadura pior do que a Coreia do Norte
    Tags:
    intervenção militar, relações bilaterais, crise na venezuela, diplomacia, Grupo de Lima, Nicolás Maduro, Ernesto Araújo, Antonio Hamilton Mourão, Jair Bolsonaro, Juan Guaidó, Estados Unidos, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar