05:46 23 Março 2019
Ouvir Rádio
    Caminhões da ajuda humanitária dos EUA escoltados pela polícia da Colômbia, perto de Cúcuta

    Ajuda humanitária dos EUA à Venezuela contém bens vencidos, diz embaixador

    © AP Photo / Fernando Vergara
    Américas
    URL curta
    20192

    A ajuda humanitária que Washington pretendia enviar à Venezuela continha medicamentos fora de prazo e comida vencida, disse o embaixador venezuelano na Rússia, Carlos Rafael Faría Tortosa.

    "É de acrescentar que os EUA estão nos enviando produtos que ninguém inspecionou. Fontes nos disseram que as caixas continham alimentos vencidos e medicamentos fora de prazo e inutilizáveis", disse Tortosa ao jornal russo Izvestia.

    O embaixador revelou que nenhuma organização responsável pela inspeção de caminhões com ajuda humanitária, incluindo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, inspecionou a ajuda humanitária americana.

    Faría Tortosa sublinhou que a Venezuela não rejeitou ajuda humanitária estrangeira em geral. Por exemplo, ela aceitou sete toneladas de medicamentos da Rússia porque o governo venezuelano está certo que essa ajuda foi prestada sinceramente, sem nenhumas "armadilhas".

    No sábado, a oposição venezuelana tentou fazer entrar na Venezuela, a partir do Brasil e da Colômbia, a chamada ajuda humanitária que inclui medicamentos e alimentos dos EUA e outros países. As autoridades venezuelanas rejeitaram as entregas de ajuda patrocinada pelos EUA e afirmou que as declarações sobre a crise humanitária se destinam a justificar a invasão da Venezuela.

    A crise na Venezuela se agravou em 23 de janeiro, quando o líder da oposição, Juan Guaidó, se declarou presidente interino. Ele foi quase imediatamente reconhecido pelos Estados Unidos e alguns outros países.

    Rússia, China e México, entre outras nações, manifestaram seu apoio a Maduro, que por sua vez acusa Washington de tentar orquestrar um golpe.

    Tags:
    medicamentos, ajuda humanitária, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar