11:51 19 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Juan Guaidó, líder da oposição venezuelana

    Uso da força em breve? Guaidó sugere 'todas as opções' para tirar Maduro do poder

    © AP Photo / Fernando Llano
    Américas
    URL curta
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    30818

    O chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, declarou no fim da noite deste sábado que "todas as opções" devem estar sobre a mesa depois dos incidentes de violência registrados nas fronteiras do país caribenho com o Brasil e a Colômbia horas antes.

    "Os acontecimentos de hoje obrigam-me a tomar uma decisão: a apresentar formalmente à comunidade internacional que devemos ter todas as opções em aberto para alcançar a libertação deste país que está lutando e continuará a lutar. Esperança nasceu para não morrer, Venezuela!", escreveu Guaidó no Twitter.

    Embora não o diga abertamente, o tweet gerou a ideia de que se trataria de um chamamento em prol de uma intervenção militar na Venezuela, conforme analisou o professor adjunto de Relações Internacionais na Fundação Getulio Vargas (FGV), Oliver Stuenkel.

    Autodeclarado presidente interino da Venezuela, Guaidó conta com o apoio dos Estados Unidos, da maioria dos países latino-americanos (incluindo o Brasil), e das principais nações europeias, mas é visto como ilegítimo por países aliados do presidente Nicolás Maduro, como Rússia e China.

    Ao longo de todo o sábado, tropas de Maduro bloquearam a entrada de ajuda humanitária advinda dos EUA, o que gerou confrontos violentos nas fronteiras com Colômbia e Brasil. As tropas haviam retirado os comboios de ajuda externa da fronteira da Venezuela usando gás lacrimogêneo e borrachas de borracha no sábado, matando pelo menos dois manifestantes.

    Na próxima segunda-feira, Guaidó se encontrará em solo colombiano com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence. Um novo encontro do Grupo de Lima acontece em Bogotá, em um novo movimento que deve tentar reforçar o apoio internacional ao atual grande líder oposicionista de Maduro em Caracas.

    "Para avançar em nossa rota, nos reuniremos na segunda-feira com nossos aliados da comunidade internacional, e continuaremos a solicitar ações futuras dentro do país. A pressão interna e externa é fundamental para a liberação. Esperança nasceu para não morrer!", acrescentou Guaidó.

    Anteriormente, o presidente do EUA, Donald Trump, e o seu assessor de Segurança Nacional, John Bolton, deram indicações de que o uso da força poderia estar sobre a mesa, porém o restante da comunidade internacional, incluindo a ala militar do governo de Jair Bolsonaro, descartou a hipótese.

    Tema:
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)

    Mais:

    Venezuela: Cruz Vermelha diz que seus emblemas estão sendo usados sem autorização
    Colômbia não reconhece rompimento das relações diplomáticas com Venezuela
    Venezuela: caminhões de ajuda humanitária são repelidos por gás lacrimogêneo
    Tags:
    violência, intervenção militar, diplomacia, crise na venezuela, Grupo de Lima, Mike Pence, Donald Trump, Oliver Stuenkel, Nicolás Maduro, Juan Guaidó, Brasil, Colômbia, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar