14:05 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    21132
    Nos siga no

    Mais cedo, o presidente colombiano Ivan Duque anunciou que seu país havia entregue a ajuda humanitária ao autoproclamado presidente interino venezuelano, Juan Guaidó.

    O líder da oposição venezuelana, que recentemente se proclamou presidente interino, Juan Guaidó anunciou que a ajuda humanitária está a caminho da Venezuela.

    A Reuters informou, citando o parlamentar da oposição Miguel Pizarro, que caminhões transportando a ajuda cruzaram a fronteira entre o Brasil e a Venezuela. No entanto, uma testemunha entrevistada pela agência de notícias afirma que, embora os caminhões estejam de fato em território venezuelano, eles não passaram pelo ponto de segurança da fronteira.

    Reportagens anteriores mostraram que um comboio humanitário havia saído da cidade de Cúcuta, perto da fronteira Colômbia-Venezuela.

    Em 21 de fevereiro, o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, partiu para a fronteira do país com a Colômbia para saudar a chegada do comboio humanitário dos EUA. A ajuda humanitária foi reunida em centros logísticos em Roraima, no Brasil, em Cucuta, na Colômbia, e na ilha caribenha de Curaçao.

    O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, rejeitou a ajuda humanitária, chamando-a de "pretexto para uma invasão do país pelos EUA". Ele ordenou o fechamento das fronteiras em uma tentativa de impedir a entrega da ajuda.

    Funcionários de alto escalão estariam fugindo da Venezuela

    Juan Guaidó também afirmou em 23 de fevereiro que um número de oficiais de alto escalão havia revogado seu apoio a Nicolás Maduro, com alguns deles já tendo fugido para a Turquia. O líder da oposição também alegou que alguns dos soldados de Caracas já não reconhecem Maduro como presidente.

    Tema:
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    Tags:
    Brasil, Venezuela, Caracas, Turquia, Colômbia, Estados Unidos, Roraima, Cúcuta, Curaçao, Nicolás Maduro, Ivan Duque, Juan Guaidó, Reuters
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar