02:38 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Mosquito do gênero Anopheles, responsável pela transmissão da malária

    Brasil na mira? Crise venezuelana pode alastrar epidemias de infecções pelos vizinhos

    © AP Photo / James Gathany/CDC
    Américas
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    Um estudo realizado por uma equipe internacional de cientistas alertou que a crise humanitária venezuelana pode causar epidemias de malária, tripanossomíase, zika e outras doenças infecciosas em toda a região.

    Segundo a pesquisa, publicada na revista Lancet Infectious Diseases, o número de pessoas infectadas com malária aumentou 359% (entre 2000 e 2015), e, em 2017, o número de pacientes correspondeu a 411,5 mil, ou seja, 71% a mais do que no ano anterior, que correspondeu a 240,6 mil.

    Países vizinhos, especialmente o Brasil, também relataram uma tendência crescente de importação de casos de malária da Venezuela: de 1.538 casos em 2014 para 3.129 em 2017.

    A crise econômica e a instabilidade política na Venezuela têm dificultado o controle preventivo da população de mosquitos. Pesquisadores lembram que em 1961 a Venezuela se tornou o primeiro país a derrotar a malária, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Há também relatos de aumento acentuado de infecções por tripanossomíase americana (doença de Chagas), com até 12,5% da população em algumas localidades sofrendo desta doença na fase ativa. Em 1998, a doença tropical transmitida pelo protozoário Trypanosoma cruzi foi praticamente eliminada. Houve também surtos de zika e chikungunya.

    "O ressurgimento de muitas doenças transmitidas por vetores reflete a crise de saúde na Venezuela e prejudica seriamente os esforços para erradicar essas doenças na região. As autoridades nacionais, regionais e globais devem responder ao agravamento da situação da epidemia e evitar que ela se espalhe para além da Venezuela", disseram os autores do estudo.

    A Venezuela atravessa a pior crise econômica, financeira e humanitária, agravada pela situação de duplo poder político. A instabilidade do país se agravou após o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, ter se declarado presidente interino no dia 23 de janeiro.

    EUA e vários países anunciaram o reconhecimento de Guaidó e exigiram do presidente venezuelano Nicolás Maduro, cuja reeleição foi considerada ilegítima por aqueles, que impeça o uso da força contra a oposição. Maduro declarou-se presidente constitucional, enquanto classificou o chefe da oposição como "fantoche dos EUA". Já a Rússia, China e outros países apoiam Maduro como presidente legítimo da Venezuela.

    Mais:

    Zika ataca mais uma vez, agora na Índia
    Febre de oropouche é novo zika vírus? Para especialista ainda é cedo soar o alarme
    'Assassino silencioso': doença de Chagas está se espalhando fora da América Latina
    OMS alerta para ocorrência de casos de malária em mais de 90 países
    Tags:
    Chikungunya, crise humanitária, doença de Chagas, zika, dengue, malária, Organização Mundial da Saúde (OMS), Nicolás Maduro, Juan Guaidó, América Latina, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar