19:35 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    John Bolton na OTAN.

    Dias de Ortega estão 'contados' e a Nicarágua estará livre 'em breve', diz Bolton

    © Sputnik / Alexey Vitvitsky
    Américas
    URL curta
    2219

    O principal assessor de política externa do presidente estadunidense Donald Trump, John Bolton, parece estar decidido a retomar seu longo impasse com o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, sugerindo que a mudança de regime apoiada por Washington pode estar próxima.

    "O regime de Ortega condenou três líderes agrícolas a 550 anos de prisão por seus papéis em protestos em 2018, nos quais as forças policiais de Ortega teriam matado 300 ativistas. Como disse o presidente Trump na segunda-feira, os dias de Ortega estão contados e o povo nicaraguense em breve estará livre", escreveu Bolton no Twitter na quarta-feira.

    Os líderes dos protestos anti-Ortega receberam penas de prisão nesta semana, depois de terem sido implicados na morte de quatro policiais e de um professor durante um tiroteio em julho passado.

    A nação centro-americana foi abalada por distúrbios desde abril do ano passado, com manifestantes exigindo a renúncia do líder do partido sandinista Ortega, que é presidente desde 2007, e conquistou convincentemente outro mandato de cinco anos em 2016.

    Os EUA apoiaram repetidas vezes a insurreição contra o governo de esquerda e, em novembro passado, Bolton fez uma palestra chamando pela "desintegração" do que ele chamou de "Troica da Tirania" - Venezuela, Nicarágua e Cuba -, dizendo que os Estados representavam um "berço sórdido do comunismo no hemisfério ocidental".

    Na segunda-feira, Trump nomeou os mesmos três países, dizendo que seu "grande potencial" seria desbloqueado com o colapso do socialismo. Para agilizar o processo, o Congresso dos EUA impôs no ano passado medidas financeiras que dificultariam a obtenção de empréstimos internacionais para a Nicarágua, atingida economicamente, e punir as autoridades de Manágua.

    A vingança

    A história de Bolton com Ortega remonta aos anos 1980. Assim como agora, Ortega era o líder da Nicarágua, primeiro ao liderar a revolução em 1979 e quando foi eleito presidente em 1985.

    A administração do ex-presidente republicano Ronald Reagan gastou recursos financeiros significativos apoiando os rebeldes de direita contrários ao governo durante a guerra civil, que durou quase toda a década.

    Bolton, na época um especialista legal, ocupou vários cargos de alto escalão na Casa Branca de Reagan e foi mais do que uma testemunha de seus obscuros esquemas da CIA para contornar uma proibição do Congresso dirigida por democratas de ajudar os militantes da oposição.

    O atual assessor de Trump teria desempenhado um papel crucial em prejudicar tanto o escopo de uma investigação Irã-Contra quanto um inquérito sobre militantes que administram drogas e armas, que foram habilitados por Washington.

    Depois que ele voltou à proeminência sob o governo de George W. Bush, em mais um capítulo de uma carreira inafundável, Bolton não conseguiu desalojar o venezuelano Hugo Chávez, os sandinistas, ou Fidel Castro de Cuba (em determinado momento acusou Havana de desenvolver armas biológicas, sem evidências sólidas).

    Mas como um homem que, com a permissão de Donald Trump, agora parece estar dirigindo a política externa dos EUA em dezenas de questões fundamentais, Bolton tem mais recursos do que nunca para resolver seus ressentimentos ideológicos ao longo da vida.

    Mais:

    Adido militar da Venezuela na ONU reconhece Juan Guaidó como presidente, diz Bolton
    Bolton conclama militares e Banco Central da Venezuela a tomarem o lado da oposição
    Bogotá nega conhecer planos de Bolton de enviar '5.000 soldados para a Colômbia'
    Tags:
    sandinistas, violência, democracia, diplomacia, Troica da Tirania, tirania, George W. Bush, Ronald Reagan, Donald Trump, Daniel Ortega, John Bolton, Cuba, Venezuela, Nicarágua, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar