11:30 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Manifestante salta sobre uma barricada em chamas durante protesto contra o governo nas ruas de Porto Príncipe, no Haiti, em 10 de fevereiro de 2019

    Haitianos queimam bandeira norte-americana e pedem ajuda à Rússia

    © REUTERS / Jeanty Junior Augustin
    Américas
    URL curta
    3654

    No Haiti um grupo de pessoas se manifestou contra a aliança com os EUA pedindo ajuda a Moscou, Caracas e Pequim para resolver a crise no país, comunicou a edição Le Journal de Montreal.

    "Queremos dizer que estamos a romper definitivamente com os EUA, não suportamos mais a ocupação americana, não podemos viver assim", anunciou o líder do grupo de manifestantes, Bronson.

    Segundo a mídia, os cerca de 200 participantes dos protestos em Porto Príncipe, capital haitiana, afirmaram que o presidente do país, Jovenel Moise, foi colocado no poder pelos Estados Unidos. Os haitianos queimaram a bandeira norte-americana, gritando "Fora americanos, viva Putin!".

    A polícia se viu obrigada a usar gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes.

    O Haiti atravessa uma profunda crise política desde 7 de fevereiro. Os haitianos, furiosos com inflação e a corrupção na administração pública, querem a demissão do presidente Jovenel Moise, acusando o seu governo de incapacidade de abastecer os cidadãos e de agravamento da pobreza.

    Apesar das manifestações, Moise anunciou que não tenciona deixar o cargo. Desde 7 de fevereiro, sete pessoas foram mortas nas manifestações, que paralisaram as principais cidades do país.

    Por causa dos distúrbios, o governo dos EUA anunciou a retirada de seus funcionários do país e o Canadá ordenou o fechamento temporário de sua embaixada.

    Mais:

    Carro atropela manifestantes na França
    Maduro celebra Dia da Juventude em meio a intensos atos contra e a favor do seu governo
    Manifestante dos 'coletes amarelos' perde mão em explosão de granada (IMAGENS FORTES)
    Tags:
    manifestações, crise, presidente, bandeira, Jovenel Moise, EUA, Rússia, Haiti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar