05:51 17 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Steve Bannon, exestratega jefe de la Casa Blanca

    Bannon detona Mourão e diz que Flávio Bolsonaro é 'vítima do marxismo cultural'

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    251925

    O ex-assessor de Donald Trump, Steve Bannon, afirmou nesta quarta-feira que o vice-presidente do Brasil, Antônio Hamilton Mourão, não tem nenhuma utilidade para o governo de Jair Bolsonaro, cujo filho estaria sendo vítima do "marxismo cultural".

    As declarações de Bannon foram dadas em uma entrevista publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, na qual uma das figuras mais relevantes para a eleição de Trump para comandar a maior potência mundial rasgou elogios à família Bolsonaro.

    "O Brasil tem problemas na economia e Bolsonaro vai atacá-los de forma bem diferente do socialismo passado. Você vê a tragédia na Venezuela. De forma esperta, o presidente Bolsonaro e Eduardo [Bolsonaro, deputado federal e filho de Jair] estão preparados para ajudar, mas não querem ter uma responsabilidade que o Brasil não deve ter", disse.

    Questionado se a escolha do vice-presidente foi ruim, Bannon não poupou criticas a Mourão, um general da reserva do Exército Brasileiro que vem dando declarações diferentes de Bolsonaro e do chanceler Ernesto Araújo no campo da política externa.

    "Não é muito útil. Pela minha experiência com Trump, quando você chega [ao poder], tem que ser o mais unificado possível […]. Ele é desagradável, pisa fora da sua linha. Bolsonaro vai fazer uma grande diferença no Brasil e devolver o país ao palco mundial, onde deve estar […]. Me parece que o vice-presidente Mourão gosta de falar muito sobre política externa. Mas, até onde sei, o presidente Bolsonaro não lhe atribuiu responsabilidades e parece que foi uma decisão sábia", avaliou.

    O ex-assessor de Trump ainda deu a sua opinião sobre as investigações envolvendo o nome do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho mais velho do presidente. Bannon deu a entender que o caso envolvendo o ex-assessor do senador, Fabrício Queiroz, tem as marcas do "marxismo cultural", como ele próprio viu no seu tempo ao lado do presidente dos EUA.

    "Eles vêm atrás de você pelas menores coisas. O Capitão Bolsonaro e Eduardo são líderes dinâmicos no palco mundial. Por isso eles são alvos. A luta deles é contra o marxismo cultural que restou. O socialismo econômico faliu claramente. Faliu no Brasil, na Venezuela, em Cuba, é um modelo falido. Mas há ainda um marxismo cultural muito poderoso. Eles vão tentar atacar e destruir. Capitão Bolsonaro, Eduardo e a família ficarão sob intensa pressão […]. Acho que tentam criar escândalos. Disse a eles que precisam estar preparados, porque serão atacados", afirmou.

    Na mesma entrevista, Bannon rasgou elogiou ao guru da família Bolsonaro, Olavo de Carvalho ("É um herói, até mesmo global, da direita") e abordou os próximos passos da organização nacionalista O Movimento, para qual o ex-assessor de Trump possui planos ambiciosos.

    Mais:

    Ex-assessor de Trump anuncia apoio formal a Bolsonaro: 'Um grande líder'
    Mentor da eleição de Trump nos EUA indica que Bolsonaro faz parte do seu 'movimento'
    Bannon e Le Pen participam de encontro anti-imigração na Bélgica
    Tags:
    bolsonarismo, marxismo cultural, direita, política, corrupção, O Movimento, Olavo de Carvalho, Antonio Hamilton Mourão, Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Estados Unidos, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar