19:47 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Situação na fronteira entre Venezuela e Colômbia

    Agente da inteligência venezuelana iguala 'ajuda humanitária' dos EUA a 'cavalo de Troia'

    © REUTERS / Carlos Eduardo Ramirez
    Américas
    URL curta
    13313

    O governo venezuelano não cairá nas provocações “guerrilheiras” da Colômbia com o argumento de “ajuda humanitária”.

    "Vão nos submeter a uma guerra permanente de falsos positivos, de ameaças, de provocações, porém, nós estamos concentrados na Venezuela que sob nenhuma circunstância podemos cair em nenhuma provocação do governo colombiano ou do governo dos EUA, pois seria uma desculpa para eles invadirem o país e destruí-lo, assim como fizeram com a Líbia, com o Iraque ou com a Síria", afirmou Fredy Bernal, protetor fronteiriço do estado venezuelano de Táchira e comissário do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) à Sputnik.

    Bernal acredita que a Colômbia está utilizando o argumento de "ajuda humanitária" para provocar o governo venezuelano, além disso, ele publicou diversos vídeos nas redes sociais, onde mostra a região fronteiriça de Táchira com a Colômbia, explicando que é possível visualizar a circulação de tanques de guerra no local.

    Os vídeos foram publicados para desmentir os rumores espalhados por membros da oposição sobre a chegada de "ajuda humanitária à Venezuela".

    "Foi informado que à meia-noite chegaria a famosa ajuda humanitária […] e que, se houvesse alguma oposição por parte do governo da Venezuela, seria tomada como um ato de guerra, resultando em uma agressão contra a Venezuela; garantindo a tranquilidade e calma para a aprovação venezuelana […]", disse Bernal.

    Cavalo de Troia

    O líder da oposição e da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se declarou presidente do país. Anunciando no dia 2 de fevereiro que uma ajuda humanitária chegaria ao país através da Colômbia, Brasil e uma ilha do Caribe, não identificada.

    Além disso, o líder da oposição não explicou como o procedimento ocorreria para a entrega de medicamentos e outros produtos doados pela Alemanha, EUA e Canadá, destinados a 300.000 pacientes crônicos.

    Entretanto, Bernal considera que essa ajuda seja parte de um "Cavalo de Troia", ressaltando que a ação teria como objetivo o acesso ao país por parte dos EUA.

    Reforço na Fronteira

    Colômbia e Venezuela possuem um grande território fronteiriço e a chegada desses produtos teria ocorrido sem a autorização do governo venezuelano, fazendo com que Bernal reforçasse a presença militar na borda entre os dois países.

    "Nós estamos reforçando a presença militar em todos os postos fronteiriços e caminhos rurais para evitar qualquer ingresso de caráter ilegal", assegurou Bernal.

    "[…] É tudo um show na fronteira, um show que eles vão montar a partir do lado colombiano, porém, estou seguro que deste lado não vai haver maior perturbação", enfatizou Bernal sobre a ação.

    Além disso, ele destacou que o país não tem uma história "guerrilheira", porém advertiu que os militares estão dispostos a defender a todo custo seu território de qualquer ingerência estrangeira, advertindo ainda que qualquer ação militar contra a Venezuela poderá gerar uma difícil situação social na região e que os EUA terão que se preparar para receber milhões de migrantes.

    Mais:

    Grupo de Lima prepara guerra contra Venezuela, diz ativista; Canadá descarta uso da força
    Evo Morales: ao admitir intervenção, Trump reconhece ser instigador do golpe na Venezuela
    Maduro diz que premiê espanhol terá mãos 'cheias de sangue' se Venezuela for invadida
    Tags:
    ameaças, provocação, golpe, ajuda humanitária, fronteira, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar