14:01 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

    Maduro diz que premiê espanhol terá mãos 'cheias de sangue' se Venezuela for invadida

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Américas
    URL curta
    15206

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, declarou que o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez ficará com as mãos "cheias de sangue" se uma intervenção militar na Venezuela se concretizar e chamou-o de covarde por reconhecer o opositor Guaidó como presidente interino da Venezuela.

    "Eu digo ao Senhor Pedro Sánchez, Deus nos livre, mas se algum dia for realizado um golpe de Estado, se algum dia ocorrer uma intervenção militar gringa, suas mãos, senhor Pedro Sánchez, ficarão cheias de sangue, como ficaram as mãos de José María Aznar (1994 — 2004), na guerra do Iraque", afirmou Nicolás Maduro em um ato militar no estado venezuelano de Aragua.

    Hoje (4), uma série de países europeus, inclusive Espanha, França, Suécia, Áustria, Alemanha, Reino Unido e Portugal, reconheceram Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. O ministro das Relações Exteriores espanhol, Josep Borrell, declarou que a UE em geral e, particularmente, a Espanha excluem a possibilidade de intervenção militar para resolução da crise venezuelana.

    A Venezuela entrou em uma nova espiral de tensão após a posse do presidente Nicolás Maduro em 10 de janeiro para o segundo mandato. No dia 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional e líder da oposição, Juan Guaidó, se declarou presidente interino da Venezuela, acusando Maduro de usurpar o cargo.

    Além dos países europeus, os EUA e vários países da América Latina, inclusive o Brasil, manifestaram seu apoio a Guaidó e à oposição venezuelana. Nicolás Maduro recebeu apoio da Rússia, Cuba, México, Bolívia, Nicarágua, Turquia, Irã e de muitos outros países.

    Mais:

    Maduro rejeita ultimato europeu sobre novas eleições na Venezuela
    Trump confirma envio de militares americanos à Venezuela como 'uma das opções'
    Força especial da Venezuela é acusada de execuções extrajudiciais
    Tags:
    presidente, intervenção militar, Juan Guaidó, Pedro Sánchez, Nicolás Maduro, Venezuela, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar