03:23 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes entram em conflito com a polícia durante manifestação para exigir um referendo para destituir o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas, 1º de setembro de 2016

    Kremlin: imposição de quaisquer soluções é interferência direta nos assuntos da Venezuela

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    23265
    Nos siga no

    O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, declarou que o desejo de legitimar a tentativa de usurpar o poder na Venezuela é uma interferência direta nos assuntos do país, que não contribui para a solução efetiva e pacífica da crise.

    "Qualquer solução para a crise política interna da Venezuela só é possível pelos próprios venezuelanos. A imposição de soluções ou legitimar a tentativa de usurpar o poder é, em nossa opinião, tanto uma interferência direta quanto indireta nos assuntos internos da Venezuela", disse Peskov.

    O comunicado do porta-voz russo a repórteres foi feito enquanto comentava o reconhecimento pelos países da União Europeia de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

    Segundo o representante do Kremlin, essa interferência "não contribui de forma alguma para uma solução pacífica, eficaz e viável da crise vivida pelos venezuelanos, que […] devem ultrapassar sozinhos a crise".

    Na segunda-feira (4), o premiê da Espanha, Pedro Sánchez, reconheceu o líder oposicionista do país caribenho. Logo após a declaração espanhola, a França, a Suécia, a Áustria, a Dinamarca, a Alemanha, a Holanda e o Reino Unido também reconheceram Guaidó.

     No dia 31 de janeiro, o Parlamento Europeu solicitou à chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, e aos governos dos países-membros, que se juntassem ao reconhecimento do líder da oposição.

    Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, autoproclamou-se chefe de Estado interino no dia 23 de janeiro, o que ocasionou uma série de manifestações e crise no país.

    Os EUA e vários outros países anunciaram o reconhecimento de Guaidó e exigiram que o reeleito presidente venezuelano Nicolás Maduro não permitisse o uso da força contra a oposição. Para o líder venezuelano, Washington está arquitetando um golpe de Estado em Caracas.

    Mais:

    Arreaza: ameaças dos EUA confirmam seu envolvimento no golpe de Estado na Venezuela
    Áustria declara apoio a Guaidó como presidente da Venezuela
    Trump confirma envio de militares americanos à Venezuela como 'uma das opções'
    Força especial da Venezuela é acusada de execuções extrajudiciais
    Tags:
    presidente interino, intervenção estrangeira, intervenção externa, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, eua, Venezuela, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar