17:40 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó

    Guaidó viajou em segredo a EUA, Colômbia e Brasil antes da autoproclamação, diz mídia

    © REUTERS / Manaure Quintero
    Américas
    URL curta
    Crise política na Venezuela se agrava (163)
    1426
    Nos siga no

    O autoproclamado "presidente interino" da Venezuela, Juan Guaidó, viajou em dezembro aos EUA, Colômbia e Brasil para coordenar as sua estratégia antigovernamental, informou a agência AP, citando aliados do opositor e funcionários diplomáticos dos países latino-americanos, EUA e Canadá.

    Segundo o ex-prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, exilado na Espanha, nos meados de dezembro, Guaidó viajou em segredo a Washington, Bogotá e Brasília para informar altos funcionários locais de como a oposição venezuelana desencadearia protestos, fazendo-os coincidir com a posse do presidente Nicolás Maduro para o novo mandato que teve lugar em 10 de janeiro.

    Em Bogotá Guaidó afirmou que se autoproclamaria presidente venezuelano em 23 de janeiro, segundo a fonte da AP. O autoproclamado presidente saiu alegadamente da Venezuela por via terrestre para evitar o controle migratório.

    A mesma fonte informou que as conversas sobre o movimento antigovernamental se realizaram através de mensagens de texto, enquanto um funcionário dos EUA disse à agência que recorreu a intermediários para contatar o mentor político de Guaidó, o opositor venezuelano Leopoldo López, que se encontra em prisão domiciliar.

    Em 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante os protestos contra Maduro realizados nas ruas de Caracas. O atual líder venezuelano, Nicolás Maduro, afirma ser o chefe de Estado constitucional e chamou Guiadó de "marionete dos EUA".

    A autoproclamação de Guaidó recebeu apoio dos EUA, União Europeia e de uma série de países da América Latina, inclusive do Brasil. Nicolás Maduro é apoiado pela Rússia, Cuba, México, Bolívia, Nicarágua, Turquia, Irã e China.

    Tema:
    Crise política na Venezuela se agrava (163)

    Mais:

    Venezuela presta solidariedade ao Brasil após tragédia em Brumadinho (MG)
    Diplomatas norte-americanos começam a deixar Venezuela
    Maduro: Venezuela realizará exercícios militares em fevereiro para demonstrar poder bélico
    Especialista pondera de quem Venezuela pode ou não se defender em caso de conflito direto
    Qual a possibilidade de haver uma guerra civil na Venezuela?
    Tags:
    segredo, viagem, oposição, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Colômbia, Venezuela, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar