00:13 26 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Consecuencias de la ruptura de la represa minera en Brasil

    Venezuela presta solidariedade ao Brasil após tragédia em Brumadinho (MG)

    © REUTERS / Washington Alves
    Américas
    URL curta
    Mar de lama varre Brumadinho após explosão de barragem (55)
    342

    O governo da Venezuela enviou uma mensagem de solidariedade ao Brasil nesta sexta-feira, após a ruptura de uma barragem de rejeitos em Brumadinho (MG) que deixou, até o momento, 7 mortos e 150 desaparecidos em Minas Gerais.

    "O presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, em nome do povo venezuelano e do governo, expressou suas sinceras condolências para o povo irmão da República Federativa do Brasil", disse o Ministério de Relações Exteriores em um comunicado.

     

    Cerca de 300 pessoas estavam trabalhando na barragem de rejeitos da mina que rompeu e devastou instalações e várias casas nas proximidades, informou nesta sexta-feira Fabio Schvarstman, presidente da companhia Vale, responsável pela barragem.

    O comitê de crise do governo federal criado pelo presidente Jair Bolsonaro reconheceu esse fato pode ser ainda mais grave do que ocorreu há três anos, na cidade de Mariana, também no estado de Minas Gerais, que deixou pelo menos 18 mortos e tornou-se o maior desastre ambiental da história do país.

    Enquanto isso, Bolsonaro lamentou a tragédia e anunciou que sobrevoará a área neste sábado.

    Tema:
    Mar de lama varre Brumadinho após explosão de barragem (55)

    Mais:

    Barragem da Vale rompe em Brumadinho (MG) e cidade é tomada por lama (FOTO, VÍDEO)
    Vale anuncia possibilidade de vítimas após rompimento de barragem em Brumadinho
    'Não aprenderam nada', critica Marina Silva após desastre em Brumadinho (MG)
    Tags:
    rejeitos, mineração, tragédia, barragem, Ministério de Relações Exteriores da Venezuela, Vale, Jair Bolsonaro, Fabio Schvarstman, Nicolás Maduro, Brumadinho, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar