12:04 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Construção de barricadas em desordens contra o governo em Caracas, Venezuela

    Washington usa na Venezuela 'mesmo guião' que na Líbia, opina analista

    © AFP 2019 / Yuri Cortez
    Américas
    URL curta
    Crise política na Venezuela se agrava (163)
    10177

    Os EUA têm minado qualquer ação de paz e diálogo entre a oposição e o governo venezuelano, disse à Sputnik Mundo o analista cubano Jorge Legañoa, comentando a atual crise política na Venezuela.

    O analista lembrou que o presidente venezuelano Nicolás Maduro denunciou essas ações e até declarou a expulsão do pessoal diplomático dos EUA do país.

    "Esta decisão é obviamente muito difícil e, nem nos momentos mais difíceis de Chávez [o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez], as relações diplomáticas foram rompidas completamente", explicou ele à Sputnik Mundo.

    Maduro deu um prazo de 72 horas aos EUA para retirarem seus diplomatas da Venezuela, que apesar do anúncio permanecem no território venezuelano. A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou que os funcionários apenas respondessem às indicações de Juan Guaidó, reconhecido pelos EUA como presidente interino do país.

    Até agora, a Presidência venezuelana não tomou medidas, mas é evidente que haverá uma resposta nas próximas horas.

    Legañoa lembrou como, em abril, durante a VIII Cúpula das Américas, em Lima, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, ofereceu financiamento aos países latino-americanos que acolheram os exilados venezuelanos.

    "Os EUA usaram os exilados para declarar uma crise política e isso teve uma resposta do governo venezuelano. Vimos como nas últimas semanas e meses os venezuelanos retornaram ao seu país", disse o especialista.

    Mas a administração Trump continuou a colocar mais lenha na fogueira e, em 23 de janeiro, além de incitar a marcha contra Maduro, reconheceu Guaidó como presidente da Venezuela.

    "Além do simbolismo, a autoproclamação de Guaidó foi um ato inconstitucional", afirmou Legañoa. "A Constituição da Venezuela deixa muito claro que, em qualquer circunstância, você só é empossado como presidente na Assembleia Nacional do país ou frente ao Tribunal Supremo do país", explicou ele.

    Para o especialista, este "é o mesmo guião" usado na controversa intervenção militar na Líbia em 2011, na qual participaram as tropas dos EUA. Essa invasão derrubou o líder líbio Muammar Kadhafi, que foi assassinado por um grupo de rebeldes, e mergulhou o país na crise.

    O analista sublinha que redes sociais são o principal canal para divulgar e gerar “notícias falsas’.

    "Houve uma marcha chavista tanto ou maior do que a da oposição, mas isso não é relatado, assim como o esgotamento das reservas e a situação econômica, não é relatado que, por outro lado, há um povo trabalhando e tentando construir um país diferente, inclusive nas bases do capitalismo que ainda estão entronizadas nessa sociedade", revelou o analista.

    Entretanto, Legañoa se pergunta por quanto tempo vão manter Maduro no dilema de continuar apostando na paz ou radicalizar a revolução. "Até agora, parece que ele continuará a apostar na paz, tranquilidade e decência, como reiterou em seu discurso no Palácio de Miraflores", concluiu o analista.

    Tema:
    Crise política na Venezuela se agrava (163)

    Mais:

    Caracas expulsa cônsul colombiano em retaliação a expulsão de venezuelano
    Por causa social, brasileiro preso em Caracas quis ser detido pelo governo Maduro (VÍDEO)
    Tags:
    Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Donald Trump, Líbia, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar