09:18 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Jair Bolsonaro se encontrou com Pyotr Poroshenko em Davos, na Suíça

    Especialistas analisam futuro da relação de Bolsonaro com a Ucrânia

    © Foto: Mikhail Palinchak / Presidência da Ucrânia
    Américas
    URL curta
    24117

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) teve reunião com seu homólogo da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. A Sputnik Brasil entrevistou dois especialistas em relações internacionais para entender o episódio.

    Tanto o professor de Política Internacional da Universidade Estadual do Rio Janeiro (Uerj) Paulo Velasco quanto Paulo Sergio Wrobel, professor de Relações Internacionais da PUC-Rio, acreditam que o contato de Bolsonaro e Poroshenko é apenas inicial.

    Wrobel afirmou à Sputnik Brasil que a agenda não deve ser "supervalorizada", mas sim vista como um encontro entre líderes que aparentam "afinidade política e ideológica". Velasco disse que Bolsonaro priorizou encontros com "lideranças nacionalistas".

    Nota do governo ucraniano disse que Bolsonaro "apoiou a independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia".

    Velasco acredita que o episódio não deve abalar as relações com a Rússia já que a declaração é apenas genérica e segue uma postura histórica da diplomacia brasileira de buscar o máximo de contatos possíveis, até mesmo com países que não dialogam entre si, como Israel e Palestina.

    Além disso, o professor da Uerj destaca que a nota deixou de lado temas mais delicados, como a Crimeia.

    "Se houver uma insistência em uma retórica que pode ser interpretada pela Rússia como complicada e que contraria as boas relações do Brasil com a Rússia, aí poderíamos ter problemas. Eu não acredito que o Brasil vai insistir muito nessa ideia de se colocar do lado da Ucrânia a ponto de comprar uma briga ou distanciamento diplomático com a Rússia", afirma Velasco à Sputnik Brasil.

    Em 2018, o Brasil exportou US$ 118,6 milhões à Ucrânia — e as importações somaram US$ 60,3 milhões no mesmo período.

    Já com a Rússia, 2018 fechou com US$ 1,65 bilhões em exportações brasileiras, e US$ 1,65 bilhões em importações.

    Mais:

    Bolsonaro diz que teme ações não pacíficas do governo Maduro na Venezuela
    'Velha política': Como eleições para comandar Câmara e Senado ameaçam planos de Bolsonaro
    Moscou não acredita que presidência de Jair Bolsonaro possa prejudicar BRICS
    Embargo saudita a frango brasileiro é 'aviso' a Bolsonaro, diz especialista
    Mourão contradiz promessa de Bolsonaro e diz que Brasil manterá embaixada da Palestina
    Jornalista ajuda encenar um enigmático protesto contra Bolsonaro em Davos (VÍDEO)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar