03:25 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    131
    Nos siga no

    Uma ex-amante do traficante Joaquín "El Chapo" Guzman testemunhou nesta quinta-feira (17) que o líder do cartel a atraiu para uma vida no comércio de drogas.

    "Até hoje eu estava confusa porque achava que era um relacionamento romântico", disse Lucero Guadalupe Sánchez López, 29 anos, à corte de Nova York, onde Guzmán enfrenta acusações de tráfico, armas de fogo e lavagem de dinheiro.

    Sánchez, que foi presa em 2017, cruzando do México para San Diego com cocaína, disse ao júri que conheceu Guzman aos 21 anos.

    Ele a enviou para trabalhar no "Triângulo Dourado" ao longo das fronteiras dos estados mexicanos de Durango, Sinaloa e Chihuahua, comprando maconha "boa, bonita e barata", disse Sanchez.

    Ela então carregaria aviões com até 400 kg da droga. Sánchez disse que nunca recebeu pagamento pelo seu trabalho.

    Ela disse que seu relacionamento com Guzman, 61 anos, que é conhecido por manter relacionamentos românticos com quatro ou cinco mulheres diferentes ao mesmo tempo, começou em fevereiro de 2011.

    A esposa do chefão, Emma Coronel, estava grávida dos gêmeos do casal.

    A promotoria disse que Sánchez e Guzmán discutiram suas transações de maconha através de mensagens criptografadas. Sánchez disse que temia que Guzman a machucasse.

    "A máfia mata pessoas que não pagam ou que delatam, mas não aquelas que são sérias", escreveu "El Chapo" a Sánchez.

    Sánchez pode ser condenada à prisão perpétua, mas espera uma pena menor já que colabora com a promotoria. 

    Guzman, que é acusado de traficar mais de 155 toneladas de drogas para os EUA, pode ser condenado à prisão perpétua se for considerado culpado.

    Mais:

    Roubo e tráfico: EUA são os culpados pela tragédia no campo sírio de Rukban, diz Rússia
    Equador investiga tráfico de armas envolvendo as FARC
    Mídia reporta tráfico de bebês arquitetado através do Instagram e WhatsApp
    'Capital dos Piratas': Coari vira base do PCC na Amazônia na luta pelas rotas do tráfico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar