00:02 19 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente de Venezuela

    Chancelaria da Venezuela: EUA usam outros países para desestabilizar democracia no país

    © REUTERS / Miraflores Palace
    Américas
    URL curta
    Maduro é pela 2ª vez presidente da Venezuela (15)
    890

    O Ministério das Relações Exteriores venezuelano declarou que os EUA utilizam países da região para atacar e desestabilizar as instituições e a democracia nessa nação.

    O anúncio foi divulgado através de um comunicado no site oficial da chancelaria do país.

    "O Governo da República da Venezuela considera necessário tornar do conhecimento do povo venezuelano e da comunidade internacional que se continua o ataque de um grupo governos satélites, subordinados aos planos imperialistas estadunidenses, que alimentam o objetivo obsessivo de pôr em marcha um cenário desestabilizador contra a legítima institucionalidade democrática venezuelana", diz o comunicado da chancelaria.

    No texto, o executivo repudia que os governos da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai e Peru emitam declarações e comunicados contra as instituições do país.

    "Além do absurdo desse procedimento e da sua insólita falta de rigor e adesão ao direito internacional, é um objeto de preocupação que esses comportamentos hesitantes sejam a resposta às repreensões recebidas do governo dos Estados Unidos por terem oferecido a retificação exigida pelo presidente constitucional da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro Moros ", acrescenta o Ministério das Relações Exteriores.

    Da mesma forma, o governo de Maduro disse que continuará a avaliar as ações dos países que se manifestaram contra a Venezuela para tomar decisões que garantam a proteção do "Estado e suas instituições".

    Até o momento, 19 países da região se pronunciaram contra o segundo mandato de governação de Maduro, que começou em 10 de janeiro.

    Além disso, esses países qualificam o presidente Maduro como "usurpador", pois afirmam que ele foi eleito de maneira "fraudulenta".

    As autoridades venezuelanas, por sua vez, destacaram a legitimidade destas eleições, nas quais Maduro foi reeleito com 68% dos votos e uma participação de 48%.

    Tema:
    Maduro é pela 2ª vez presidente da Venezuela (15)

    Mais:

    Chile condena detenção de líder parlamentar opositor na Venezuela
    Agentes de Inteligência da Venezuela prendem opositor que se declarou presidente interino
    Colunista americano dá explicação incomum ao envio de Tu-160 russos à Venezuela
    'Hora da transição': EUA expressam apoio ao presidente do Parlamento da Venezuela
    Tags:
    eleições, desestabilização, democracia, comunicado, Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro, América do Sul, América do Norte, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar