10:22 24 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Jorge Rodríguez, ministro de Comunicación e Información de Venezuela

    Caracas afirma que detenção de opositor foi ação 'arbitrária' e punirá responsáveis

    © AFP 2019 / Federico Parra
    Américas
    URL curta
    Crise política na Venezuela se agrava (163)
    540

    Jorge Rodríguez, ministro das Comunicações da Venezuela, comentou a detenção, neste domingo (13), de Juan Guaido, presidente da Assembleia Nacional venezuelana, por agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin).

    O governo venezuelano negou que tenha dado ordens para a detenção de Guaido, líder oposicionista da Assembleia Nacional venezuelana, e afirmou que os agentes da inteligência agiram por conta própria e de forma arbitrária.

    "Um grupo de policiais, de maneira arbitrária, efetuou a detenção do deputado Juan Guaido. Queremos informar ao povo da Venezuela que os funcionários que fizeram isso estão sendo destituídos", afirmou o ministro durante uma conversa telefônica com o canal estatal de televisão, VTV.

    Neste domingo domingo (13), a Assembleia Nacional da Venezuela divulgou a detenção de Guaido pelo Sebin. Menos de uma hora mais tarde a esposa do presidente do Parlamente confirmou que ele havia sido liberado. Pouco depois, Guaido também se manifestou confirmando que estava em liberdade.

    Mais tarde o líder oposicionista afirmou em sua conta no Twitter que a ação dos policiais mostra que há problemas na cadeia de comando do país.

    Guaido é o líder do Parlamento venezuelano e um declarado opositor do presidente Nicolás Maduro. O deputado chegou a afirmar após a posse de Maduro para seu segundo mandato, na quinta-feira (10), que não reconhecia o novo governo e que assumiria como presidente interino do país.

    Guaido pede apoio estrangeiro e de setores das Forças Armadas descontentes com o governo, e recebeu endosso do diretor da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.

    Maduro classificou esse apoio como uma tentativa de desestabilizar a Venezuela.

    Tema:
    Crise política na Venezuela se agrava (163)

    Mais:

    Diplomata indica 'única consequência' do não reconhecimento do novo mandato de Maduro
    EUA não reconhecem autoridade de Maduro na Venezuela
    Posse de Nicolás Maduro: 'Os inimigos da Venezuela foram derrotados'
    'Deixar de ir seria covardia', diz Gleisi Hoffmann sobre presença em posse de Maduro
    Tags:
    crise na venezuela, Organização dos Estados Americanos (OEA), Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), Twitter, Assembleia Nacional da Venezuela, VTV, Luis Almagro, Juan Guaido, Nicolás Maduro, Jorge Rodríguez, Caracas, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar