04:26 23 Março 2019
Ouvir Rádio
    Cesare Battisti

    Foragido, italiano Cesare Battisti é preso pela Interpol na Bolívia

    © Foto : José Cruz / Agência Brasil
    Américas
    URL curta
    7177

    Procurado pelas autoridades brasileiras desde o fim do ano passado, o italiano Cesare Battisti foi preso neste sábado na Bolívia. Ele tem contra si um mandado de prisão concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e uma ordem de extradição autorizada pelo governo brasileiro.

    A prisão foi confirmada pela Polícia Federal (PF) aos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo na madrugada deste domingo. Os detalhes da prisão não foram revelados, mas o jornal italiano Corriere dela Sera publicou que agentes italianos e bolivianos trabalharam em conjunto para a prisão de Battisti em Santa Cruz de la Sierra, no interior do país.

    Agentes do Comando de Operações Táticas (COT) escoltam Cesare Battisti
    © East News / Sergio Dutti / Agencia Estado / Polaris

    Ainda segundo relato do jornal italiano, Battisti – de 64 anos – foi preso por volta das 17h de sábado, quando usava uma barba falsa e portava um documento brasileiro com o seu nome verdadeiro. Ele estava sozinho e não reagiu. Em 2017, o italiano já havia sido detido tentando deixar o Brasil rumo à Bolívia.

    Battisti estava foragido desde dezembro do ano passado, quando o então presidente Michel Temer autorizou a sua extradição para a Itália, país onde ele foi condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos nos anos 1970, quando integrava um grupo extremista de esquerda. Além disso, o ministro do Supremo, Luiz Fux, havia decretado a prisão do italiano dias antes.

    Ex-secretário de Cooperação Jurídica Internacional da Procuradoria-Geral da República (PGR) entre 2013 e 2017, o procurador Vladimir Aras comentou que “há duas soluções para que ele passe à custódia de autoridades italianas: 1) um novo processo de extradição, pedido por Roma a La Paz. Seria o terceiro: França, Brasil, Bolívia; ou 2) uma medida migratória similar a deportação ou expulsão, aplicada imediatamente a Battisti pelas autoridades bolivianas, pois é provável que sua entrada na Bolívia tenha ocorrido de maneira irregular e que sua estada também o seja. Ele voltaria ao Brasil e seria entregue à Itália”.

    Contudo, Aras ainda mencionou que a defesa de Battisti pode pedir asilo político ao governo do presidente Evo Morales, repetindo a estratégia feita quando detido pelas autoridades brasileiras.

    Se voltar ao Brasil, Battisti deverá ser entregue às autoridades italianas em breve, tão logo sejam realizados os trâmites burocráticos necessários. A sua extradição foi tratada como uma questão importante ao presidente eleito Jair Bolsonaro, que chegou a receber um pedido direto do vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini.

    A Itália tenta a extradição de Battisti desde 2007, quando Battisti foi preso no país – após fugir da sua nação, ele passou por França e México antes de chegar ao Brasil. À época, o STF passou a responsabilidade da autorização do envio dele para o seu país natal ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que acabou dando a ele asilo no país, contrariando Roma.

    Mais:

    Polícia Federal busca Cesare Battisti
    Presidente da Itália agradece Temer por assinar extradição de Battisti
    Entenda por que extradição de Cesare Battisti deve ser alvo de nova polêmica no Supremo
    'Terrorista assassino': Bolsonaro manda recado à Itália sobre extradição de Battisti
    Tags:
    assassinatos, diplomacia, prisão, terrorismo, extradição, Polícia Federal, Interpol, Vladimir Aras, Matteo Salvini, Jair Bolsonaro, Cesare Battisti, Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, Itália, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar