08:53 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira do Paraguai

    Analista vê desestabilidade da América Latina pela ruptura do Paraguai com Venezuela

    CC BY 2.0 / Leticia Chamorro / *--*
    Américas
    URL curta
    852
    Nos siga no

    A ruptura das relações diplomáticas do Paraguai com Venezuela após a posse do presidente Nicolás Maduro para o segundo mandato de 2019 a 2025 é um mau exemplo para as relações entre países da América Latina, disse à Sputnik Mundo o cientista político da Universidade Central da Venezuela, Walter Ortiz.

    "Independentemente de como isso pode afetar as relações bilaterais entre Paraguai e Venezuela, a mais afetada é a estabilidade regional em torno de como devem ser tratados assuntos entre os países, levando em consideração o exemplo muito ruim de todo o conteúdo da declaração do Grupo de Lima de 4 de janeiro", ressaltou o analista.

    O presidente paraguaio, Mario Abdo, anunciou ontem (10) rompimento das relações com Caracas após apoiar a declaração do Grupo de Lima sobre ilegitimidade do novo mandato de Maduro.

    "O Governo da República do Paraguai, no exercício de seus poderes constitucionais e soberania nacional, decidiu romper relações diplomáticas com a República Bolivariana da Venezuela", diz o comunicado da presidência paraguaia, o que significa também o fechamento da embaixada e retirada imediata dos diplomatas paraguaios da Venezuela.

    Tática do Grupo de Lima

    Segundo Walter Ortiz, a decisão do governo paraguaio é uma tática do Grupo de Lima de continuar anunciando advertências ao país.

    "Sem dúvida alguma, a decisão do governo paraguaio tem a ver com a tática que deve ter sido forjada pelos membros do Grupo de Lima, sendo previsível um conjunto de ações […] parece que é uma tática de vazamento a qual se juntarão alguns países do Grupo de Lima", assinalou.

    No dia 4 de janeiro, 13 dos 14 países do Grupo de Lima apoiaram declaração reconhecedora da ilegalidade do novo mandato de Maduro, assinalando ser "uma firme mensagem política".

    Tutelados pelos EUA

    O cientista político indicou que as decisões de países-membros do Grupo de Lima estão sujeitas aos interesses dos EUA.

    "Recordemos que o Grupo de Lima está atado a governos com concepções ideológicas determinadas que os unem, estando principalmente comprometidos com interesses do grande hegemônico governo dos Estados Unidos", explicou.

    Apesar de o presidente venezuelano prometer uma resposta firme de maneira recíproca, Ortiz duvida que isso venha a ocorrer.

    "O presidente falava da necessidade de buscar mecanismos regionais, tais como a Comunidade de Estados Latino-americanos ou a criação de algum grupo de contato dos governos da América Latina, para começar a gerar mecanismos de entendimento regional, porque o problema está mais longe de reciprocidade diplomática que leva a tais ações, como retirada de embaixadores e fechamento de embaixadas", comentou.

    O governo paraguaio também decidiu suspender desde 10 de janeiro a aplicação do Acordo sobre a Supressão de Vistos e Passaportes Diplomáticos, Oficiais e de Serviços, assinado no dia 8 de janeiro de 1990.

    No entanto, em relação ao "êxodo em massa de cidadãos venezuelanos aos países da região, o Paraguai continuará acompanhando as iniciativas de coordenação regional destinadas a dar resposta a essa delicada crise migratória, sem prejuízo de continuar exortando em instâncias multilaterais, a entrada da assistência humanitária à República Bolivariana da Venezuela".

    As autoridades venezuelanas até agora não declararam posicionamento à decisão do Paraguai.

    Mais:

    Rússia acusa EUA de 'ofensiva indisfarçada contra soberania da Venezuela'
    Polícia do Peru confronta manifestantes que atacavam embaixada da Venezuela
    'O racismo cresce nesses governos', diz chanceler da Venezuela após Chile criticar Maduro
    Chanceler venezuelano: Embaixada da Venezuela foi atacada no Peru
    Tags:
    resposta, declaração, crise diplomática, ruptura, Grupo de Lima, Nicolás Maduro, Venezuela, Paraguai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar