02:26 20 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Confronto entre manifestantes e policiais na Venezuela.

    Venezuela: ex-chefe de espionagem ganha novo cargo após afastamento

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    2 0 0

    O ex-chefe de espionagem da Venezuela, que foi deposto no ano passado após a repercussão causada pela morte de um político da oposição, tomou posse nesta terça-feira (8) como chefe de um conselho de segurança presidencial recém-criado, afirmou a televisão estatal venezuelana.

    Gustavo González López foi substituído como chefe do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariana (Sebin) em outubro, depois que o vereador da oposição, Fernando Alban, morreu enquanto estava detido na sede da agência em Caracas. A morte foi oficialmente considerada suicídio, mas críticos disseram que ele foi assassinado.

    González López foi empossado pelo vice-presidente Delcy Rodriguez em uma breve cerimônia poucos dias antes do presidente Nicolás Maduro iniciar seu segundo mandato.

    Um grupo de países latinos, reunidos no Grupo de Lima, não reconhece o mandato de Maduro. 

    As autoridades da Venezuela não responderam imediatamente a um pedido de mais detalhes sobre as responsabilidades de González López em seu novo cargo. No mês passado, Maduro acusou os Estados Unidos e a vizinha Colômbia de conspirar para invadir a Venezuela, sem fornecer provas.

    O ex-chefe de espionagem não fala com a imprensa desde que deixou a Sebin e não fez comentários durante a cerimônia de posse em seu novo cargo. Ele é sancionado pelos Estados Unidos e a União Europeia por violações dos direitos humanos.

    Mais:

    Colômbia aplicará sanções a autoridades do governo da Venezuela
    EUA adotam sanções contra 7 indivíduos e 23 entidades da Venezuela
    Eduardo Bolsonaro sugere que oposição na Venezuela estabeleça um governo de transição
    Venezuela expressa repúdio e denuncia nova fase de plano intervencionista dos EUA
    Tags:
    Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik