11:31 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro durante seu pronunciamento semanal En contacto con Maduro em Caracas

    Maduro rebate críticos e diz que seu novo mandato na Venezuela é legítimo

    © REUTERS / Miraflores Palace
    Américas
    URL curta
    821

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, defendeu a legitimidade de seu governo neste domingo, enquanto sua candidatura para um segundo mandato de seis anos está sob crescente pressão internacional e pela Assembleia Nacional controlada pela oposição do país.

    Em outro sinal de turbulência em torno de Maduro, que deve ser empossado na próxima quinta-feira, a Suprema Corte da Venezuela confirmou que um juiz que participou de um painel que lida com questões eleitorais fugiu do condado.

    A notícia da deserção de Christian Zerpa aconteceu um dia depois que a Assembleia Nacional, controlada pela oposição, declarou que a presidência de Maduro era ilegítima e pediu um governo de transição para organizar eleições democráticas.

    Respondendo no Twitter, Maduro declarou: "A legitimidade nos foi dada pelo povo com o seu voto. Para aqueles que esperam quebrar a nossa vontade, não se enganem. A Venezuela será respeitada!"

    Maduro foi reeleito em 20 de maio nas eleições presidenciais convocadas por uma Assembleia Constituinte paralela, apoiada pelo regime e boicotada pela oposição, nas quais muitos dos líderes mais conhecidos estavam sob prisão domiciliar ou impedidos de concorrer.

    Os Estados Unidos, a União Europeia e um grupo de países do hemisfério ocidental chamado de Grupo de Lima se recusaram a reconhecer a eleição.

    Na sexta-feira, o Canadá e 12 outros países do Grupo de Lima se uniram para pedir a Maduro que renunciasse e abrisse o caminho para um governo de transição formado por líderes da Assembleia Nacional.

    O Departamento de Estado dos EUA divulgou um comunicado no sábado dizendo que os Estados Unidos estão com a Assembleia Nacional como "a única instituição legítima e última remanescente democraticamente eleita que realmente representa a vontade do povo venezuelano".

    No domingo, o Ministério de Relações Exteriores venezuelano acusou Washington de tentar "consumar um golpe de Estado [...] na promoção do repúdio de instituições legítimas e democráticas".

    Alegações de assédio

    A Suprema Corte, entretanto, disse que abriu uma investigação sobre Zerpa, devido a alegações de que ele assediava sexualmente mulheres que trabalhavam em seu escritório. A Corte disse que a investigação remonta a novembro de 2018, mas só foi tornada pública após os relatos de que a justiça havia fugido para a Flórida.

    Jornalistas venezuelanos baseados nos Estados Unidos ligaram a deserção à polêmica tentativa de Maduro de permanecer no cargo por mais seis anos.

    A jornalista Carla Angola, que afirmou ter entrevistado Zerpa, informou que ele estava na Flórida e estava preparado para cooperar com os promotores dos EUA investigando a corrupção venezuelana e as violações dos direitos humanos.

    O presidente da Suprema Corte, Maikel Moreno, declarou que Zerpa foi alvo de inúmeras denúncias de "conduta indecorosa e imoral em detrimento de um grupo de mulheres".

    O comunicado da Suprema Corte afirmou que ele estava sendo investigado por "assédio sexual, atos lascivos e violência psicológica" contra as mulheres em seu escritório.

    Moreno negou que o caso expõe divisões dentro do tribunal, que agiu consistentemente de acordo com o governo.

    "Longe de nos separar, nos une", disse ele.

    Zerpa era membro do Partido Socialista Unido (PSUV) e foi nomeado para o Supremo Tribunal em 2015, dias antes de a oposição assumir a maioria na Assembleia Nacional.

    Ele estava entre um grupo de autoridades venezuelanas atingidas com sanções financeiras pelo Canadá, enquanto Ottawa se movia para pressionar o governo de Maduro.

    Mais:

    Parlamento venezuelano rejeita legitimidade de segundo mandato de Maduro
    México não assina declaração do Grupo de Lima pedindo renúncia de Maduro
    Grupo de Lima incentiva golpe de Estado contra Maduro, diz chanceler venezuelano
    Tags:
    crise na venezuela, novas eleições, bolivarianismo, democracia, legitimidade, União Europeia, Grupo de Lima, Maikel Moreno, Christian Zerpa, Nicolás Maduro, América Latina, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik