13:22 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Los militantes de las FARC (archivo)

    Violência: membros das FARC seguem morrendo na Colômbia após acordo, diz ONU

    © REUTERS / Jose Miguel Gomez
    Américas
    URL curta
    423
    Nos siga no

    Desde que a Colômbia assinou um acordo de paz com os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) há dois anos, 85 membros do antigo movimento guerrilheiro foram assassinados, informou a ONU nesta segunda-feira.

    Entre 26 de setembro e 26 de dezembro deste ano, "14 ex-membros das FARC foram assassinados", disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em seu relatório trimestral sobre a missão do órgão global à Colômbia.

    Segundo a unidade de investigação especial colombiana, citada pela ONU, os responsáveis pelos assassinatos "são grupos armados ilegais e organizações criminosas".

    A maioria desses casos tem sido associada ao grupo de tráfico de drogas Clã do Golfo, que emergiu de paramilitares de direita desarmados em 2006, bem como dissidentes das FARC, o grupo guerrilheiro do Exército de Libertação Nacional (ELN), e remanescentes dos agora debandados rebeldes marxistas do Exército Popular de Libertação (EPL).

    Guterres 'extremamente preocupado'

    A ONU convocou o presidente colombiano Iván Duque, um crítico do acordo de paz assinado por seu antecessor, Juan Manuel Santos, para "reforçar os planos e estratégias de segurança para ex-combatentes".

    No relatório, Guterres disse estar "extremamente" preocupado com o número de assassinatos de líderes sociais e defensores dos direitos humanos, dizendo que a ONU verificou 163 dos 454 casos registrados desde que o acordo de paz foi assinado.

    "A maioria dos assassinatos ocorreu em zonas abandonadas por ex-FARC (combatentes) e onde a presença do Estado é limitada", informou o relatório da ONU.

    O ombudsman de direitos humanos da Colômbia estima que 423 ativistas foram assassinados entre 2016 e o final de novembro.

    Transformada em um partido político desde o acordo de paz, as FARC criticaram repetidamente a falta de garantias de segurança para seus membros.

    Enquanto cerca de 7.000 ex-combatentes depuseram suas armas, a comissão de paz e reconciliação da Colômbia estima que restam 1.600 rebeldes dissidentes.

    A Colômbia foi dilacerada por mais de meio século de conflito armado envolvendo guerrilheiros, traficantes de drogas, paramilitares e forças do Estado, deixando 8 milhões de pessoas mortas, desaparecidas ou deslocadas.

    Mais:

    'Não haverá hesitação' contra combatentes das FARC que não abandonaram a via armada
    Das armas às urnas: FARC iniciam o primeiro congresso de seu partido político
    FARC mantêm guerrilha, agora na política
    Tags:
    tráfico de drogas, acordo de paz, guerrilheiros, guerrilha, violência, assassinatos, Exército Popular de Libertação (EPL), Exército de Libertação Nacional (ELN), FARC, ONU, Antonio Guterres, Iván Duque, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar