08:57 26 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Uma mulher usa uma mensagem no peito que diz em espanhol: A revolução será  feminista.

    Marcha das Mulheres é cancelada na Califórnia por temores de ser 'esmagadoramente branca'

    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Américas
    URL curta
    235

    Organizadores da Marcha das Mulheres que aconteceria no norte da Califórnia no mês que vem cancelaram o evento por preocupações de que os participantes teriam sido "esmagadoramente brancos".

    Os organizadores de uma passeata em Eureka, localizada 270 quilômetros ao norte de São Francisco, disseram que a decisão “foi tomada após muitas conversas entre os organizadores locais  e os defensores da marcha”, observando que “até o momento, os participantes eram  esmagadoramente brancos e não representavam as várias perspectivas em nossa comunidade”, de acordo com um comunicado à imprensa, citado pela Fox News.

    A manifestação teria comemorado o terceiro aniversário da Marcha das Mulheres original, realizada em 21 de janeiro de 2017, um dia depois da posse do presidente Donald Trump. O evento havia sido planejado inicialmente para 19 de janeiro. No entanto, os organizadores disseram que estavam explorando a possibilidade de mudar a manifestação para março para celebrar o Dia Internacional da Mulher.

    A Marcha das Mulheres tem sido repetidamente criticada por desconsiderar ou negligenciar mulheres negras e latinas, de acordo com o New York Times. O movimento esteve envolvido em um recente escândalo quando uma ativista judia teria sido menosprezada pela fé que professava.

    A liderança nacional da Marcha das Mulheres enfrentou outras acusações de anti-semitismo por causa dos laços com o líder da organização "Nation of Islam", Louis Farrakhan, que durante um discurso em fevereiro elogiando Tamika Mallory, da Marcha das Mulheres, declarou que “os judeus poderosos são meus inimigos”. A liderança da Marcha das Mulheres teria sido lenta na decisão de condenar os comentários.

    No início deste mês, os organizadores também cancelaram outra marcha em Chicago, citando os altos custos e as horas de trabalho voluntário limitadas como razões para a suspensão, informou o Chicago Tribune.

    "Não há marcha, não há manifestação", disse Sara Kurensky, membro do conselho feminino da Marcha em Chicago. "Vamos fornecer maneiras para as pessoas se organizarem e agirem em suas comunidades locais".

    Tags:
    Dia Internacional da Mulher, Marcha das Mulheres, The New York Times, Chicago Tribune, FOX News, Louis Farrakhan, Sara Kurensky, Donald Trump, Tamika Mallory, Califórnia, São Francisco, Chicago
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar