14:47 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    833
    Nos siga no

    O chefe de Estado venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou, durante a saudação presidencial de fim de ano às Forças Armadas, que ordenou ao Exército do país redobrar a vigilância nos postos fronteiriços com a Colômbia.

    "Dei ordens expressas […] para redobrar o esforço operacional com todos os níveis de força que temos, proteger a fronteira com a Colômbia, combater a violência e o crime que vêm de lá e garantir tranquilidade e a paz", declarou Maduro.

    Além disso, ele alegou que o país colombiano não é capaz de defender as suas fronteiras e agradeceu às forças venezuelanas encarregadas da proteção dos limites do país pelos esforços feitos diariamente.

    "Um reconhecimento à Guarda Nacional Bolivariana nessa imensa fronteira com a Colômbia de mais de 2.200 quilômetros, todos os dias enfrentando grupos irregulares, grupos paramilitares, enfrentando crimes, tráfico de drogas, todos os males que vêm da Colômbia, por causa de uma oligarquia que é um estado falido na Colômbia e não é capaz de proteger suas fronteiras", comentou.

    Durante o discurso anual, Maduro denunciou que as "forças imperialistas" estão atuando em nações fronteiriças da Venezuela com o propósito de desestabilizar o país e de derrubar o presidente.

    Perante tais ameaças, o líder venezuelano rogou à população e às Forcas Armadas para permanecerem em alerta frente ao dia em que ele dará início ao novo período de Governo (2019-2025), no dia 10 de janeiro.

    Mais:

    Direita ataca Maduro para que grandes corporações cheguem ao poder, declara legislador
    Qual o propósito-chave do 'plano anticorrupção' anunciado por Maduro?
    Caracas desmente futuro chanceler brasileiro: Maduro foi convidado para posse de Bolsonaro
    Maduro: Venezuela é alvo de ameaças imperialistas
    Tags:
    protecionismo, defesa, fronteira, Forças Armadas da Venezuela, Nicolás Maduro, Colômbia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar