15:18 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump e o líder chinês Xi Jinping, durante negociações entre EUA e China no G20, na Argentina

    Disputa entre Trump e China assombra ano de 2018 na Ásia

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Américas
    URL curta
    3 0 0

    A julgar pelas imagens extraordinárias na península coreana, você poderia pensar que o ano de 2018 marcou o início de uma paz indescritível em um dos últimos vestígios da Guerra Fria do mundo.

    Poucos meses depois de uma enxurrada de ameaças de ataques com mísseis e insultos pessoais, muitos temiam o pior. O presidente Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un caminharam juntos em um dia de junho em Singapura e tentaram derrubar décadas de animosidade — e buscar uma solução nuclear.

    Cerca de um mês antes, Kim atravessou o bloco de concreto rachado que marca a fronteira entre as Coreias e então, com um sorriso, guiou o feliz presidente sul-coreano, Moon Jae-in, de volta ao território do norte para uma foto rápida. Moon mais tarde visitou Pyongyang em uma turnê triunfante que o levou a um estádio 150.000 norte-coreanos.

    E, no entanto, apesar de todas as fortes imagens, uma sensação de mal-estar tomou conta da Coreia do Sul. Não houve desarmamento substancial pelo Norte, nem grandes acordos de paz, e muitos têm o receio de que a Coreia do Norte nunca abandonará seu arsenal nuclear.

    À medida que 2018 chega ao fim, a península coreana não é o único lugar na Ásia a olhar para a frente com receio.

    Em toda a região, há bolsões de otimismo, mas também um sentimento difuso de inquietação, muitos dos quais estão ligados aos gigantes políticos gêmeos cuja presença foi sentida este ano em todos os cantos da Ásia: China e Trump. A disputa gera o temor de uma desaceleração econômica global.

    Grande parte das notícias na Ásia têm sido notas típicas de tragédia e triunfo: houve tsunamis, terremotos e inundações catastróficas no "Anel de Fogo" do Pacífico, o retorno ao poder na Malásia de um ex-oficial de 93 anos, e uma onda de críticas a uma ganhadora do Prêmio Nobel da Paz que agora é acusada de promover uma limpeza étnica contra centenas de milhares de muçulmanos Rohingya.

    Mas talvez o maior o ponto de maior relevo da Ásia, uma região que contém mais da metade da população do mundo e possui uma diversidade impressionante, seja hoje a relação entre Trump e a China. 

    O poder crescente da China tem sido impossível de ignorar na península coreana, onde Pequim apóia seu aliado em Pyongyang, apesar de ser o maior parceiro comercial de Seul. Pequim desperta sentimentos de raiva e avareza nacionalistas no Sudeste e no Sul da Ásia ao impulsionar suas reivindicações territoriais, usando enormes quantias de dinheiro, investimentos e energia diplomática para promover seus interesses.

    De sua parte, Trump se fez sentir de uma maneira moderna e pouco ortodoxa, usando Twitter para entrar repetidamente nos maiores pontos quentes da Ásia, de uma maneira que para muitos parece ter a intenção de perturbar anos de diplomacia dos EUA na região. 

    Sua retórica com a Coreia do Norte e sua disputa comercial de alto risco com Pequim atraíram a maior atenção.

    Depois de testar a eficácia de palavras beligerantes, Trump voltou-se para a ação com a China, aumentando as tarifas sobre produtos chineses e acusando Pequim de roubar tecnologia dos EUA. 

    As medidas de Trump contra Pequim, que nega qualquer mau comportamento comercial, refletem a ansiedade generalizada dos americanos em relação à competição chinesa e o temor dos planos de Pequim de criar de campeões globais de tecnologia que possam corroer a liderança industrial dos EUA.

    Trump e seu homólogo chinês, Xi Jinping, concordaram em 1º de dezembro em adiar mais aumentos de tarifas por 90 dias enquanto negociavam, e enviados dos EUA e da China estão se preparando para negociações em janeiro. Mas as sanções que martelaram os fabricantes chineses, os produtores de soja americanos e outros exportadores permaneceram em vigor. 

    Os meteorologistas alertam que, sem resolução, o conflito pode derrubar 0,5 ponto percentual do crescimento global até 2020. Eles dizem que a perda para o crescimento da China pode chegar a 1,3 ponto percentual no ano que vem.

    Enquanto Trump e Kim preparam-se para outra reunião, há dúvidas crescentes se o líder norte-coreano irá voluntariamente abrir mão de seu armamento nuclear. Vários relatórios de analistas privados nas últimas semanas acusaram o Norte de continuar o desenvolvimento de mísseis e armas nucleares, citando dados de satélites comerciais. 

    E analistas dizem que a China, principal fonte econômica da Coreia do Norte, vem afrouxando a aplicação de sanções contra Pyongyang, após Kim buscar Pequim em meio a guerra comercial

    China e Trump também estavam nas mentes de autoridades no sul e no sudeste da Ásia este ano.

    A Índia conseguiu evitar o pior da briga comercial sino-americana, mas mesmo Nova Deli, que Washington vê como um valioso aliado e um baluarte contra o crescente poder chinês, é alvo de críticas ocasionais, como quando Trump criticou suas tarifas.

    O governo do primeiro-ministro Narendra Modi é frequentemente mais focado em Pequim do que em Washington, observando com cautela a influência da China em países como as Maldivas e o Sri Lanka, ambos há muito tempo vistos pela Índia como dentro de sua esfera de influência. A Índia ficou aliviada com a derrota eleitoral de 2018 do ex-homem forte das Maldivas Yameen Abdul Gayoom, que estabeleceu laços cada vez mais estreitos com a China.

    No sudeste da Ásia, a China, cuja influência histórica sobre a região costumava ser posta em cheque pelas projeções da força americana, intensificou os esforços para tirar proveito de um vácuo de poder dos EUA. Sem muito esforço, reafirmou suas reivindicações marítimas no mar do sul da China ao construir bases insulares em águas também reivindicadas por outros quatro governos, mais notavelmente o Vietnã e as Filipinas.

    O poder brando da China, na forma de investimento em infraestrutura, especialmente relacionado à sua ambiciosa da Nova Rota da Seda, começou a enfrentar algum retrocesso. Os termos financeiros, e um possível endividamento decorrente dele, começaram a ser discutidos.

    O desenvolvimento político mais impressionante da região ocorreu na Malásia, onde o primeiro-ministro Mahathir Mohamad se uniu a ex-inimigos para expulsar seu antigo partido governante. Depois de assumir, Mahathir cancelou os planos para alguns grandes projetos chineses.

    Em Mianmar, as grandes esperanças dos ativistas de que a chegada ao poder de Aung San Suu Kyi em 2016 daria início a um governo civil esclarecido fracassaram. Mais de 700.000 Rohingya ainda definham em miseráveis ​​campos de refugiados na vizinha Bangladesh depois de serem expulsos de sua terra natal a partir de 2017.

    Mas o Sudeste Asiático também teve o que poderia ter sido a história mais inspiradora da Ásia do ano, quando os marinheiros tailandeses e mergulhadores de cavernas de todo o mundo organizaram um ousado salvamento submarino de 12 membros de um time de futebol masculino e seu treinador preso em uma caverna inundada no norte da Tailândia por quase três semanas.

    Talvez não seja coincidência que essa história tenha pouco a ver com a disputa entre Trump e a China. 

    Mais:

    Professora canadense detida na China é libertada
    Jatos japoneses interceptam avião espião da China
    China realiza 1° teste de operações aéreas em novo porta-avião (FOTO, VÍDEO)
    China estaria a ponto de ser dona do míssil balístico submarino mais potente do mundo?
    Vice-presidente do Parlamento representa a China na posse de Bolsonaro
    Quando China superará EUA como a maior economia do mundo?
    Tags:
    Xi Jinping, Donald Trump, Japão, Coreia do Norte, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar