21:58 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro anuncia congelamento de contas de várias empresas do Panamá

    Qual o propósito-chave do 'plano anticorrupção' anunciado por Maduro?

    Ariana Cubillas/AP
    Américas
    URL curta
    231

    Uma das seis principais linhas de ação do próximo mandato será impulsionar uma “luta renovada” contra a corrupção, declarou o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ao se referir ao novo empossamento de 2019 a 2025.

    "É a indolência, a burocracia e a corrupção que estão apodrecendo tudo, já basta!", disse Maduro na quarta-feira (26) em uma cerimônia pública em Caracas.

    Recentemente, o líder venezuelano pediu à vice-presidente executiva, Delcy Rodriguez, para coordenar um plano nacional anticorrupção, que será adicionado, nesta nova fase do governo, às ações que a Procuradoria promove há meses para encontrar esquemas de suborno e irregularidades.

    "Eles são bandidos, ladrões, que se disfarçam de 'vermelho' [cor simbólica do chavismo], e roubaram a Pátria. A luta é contra a indolência, a burocracia e a corrupção, não importa quem caia", disse o presidente no momento de anunciar a iniciativa.

    A declaração de Maduro acontece em um contexto marcado pela grande crise econômica e sanções que assolam o país latino-americano.

    Parte da superação da crise que atinge o país "acontece com a luta contra a corrupção", afirma o analista político Luis Quintana.

    Para combater a corruptela, o fiscal venezuelano Elvis Amoroso, colocou à ordem do Executivo 23 controladorias espalhadas pelo país, 4.600 auditores e 2.600 juristas.

    O 'plano anticorrupção' vem definir uma estratégia que foi elaborada desde maio passado, com as primeiras diretrizes, chamadas por Maduro de 'plano renovado e especial', contra irregularidades administrativas no Estado.

    A corrupção é sem dúvida "um tema de interesse público nacional que não afeta apenas os cofres públicos, mas também o funcionamento do país", ressaltou o especialista.

    Além disso, a Procuradoria tem implementado ações que mostraram resultados a curto prazo, tendo em um ano contabilizado 18 esquemas de corrupção na empresa estatal Petróleos da Venezuela (PDVSA) e irregularidades de companhias importadoras que recebem dólares preferenciais do Estado, imputando um total de 10.727 pessoas e acusando outras 4.116.

    O Ministério Público registou 1.129 pessoas acusadas e 824 condenadas por casos de corrupção.

    O chavismo (ideologia de esquerda política baseada nas ideias de governo associadas ao ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez), com base em 3 mil comunidades organizadas por todo país, promove um encontro para reunir propostas e somá-las às ações do Executivo nacional. Suas forças, lideradas pelo Partido Socialista venezuelano, também incorporam diretrizes na luta contra a corrupção no "Plano da Pátria" — a proposta de governo baseada nas diretrizes gerais estabelecidas por Chávez.

    A porta-voz do Conselho Presidencial de Comunas, Anny Higgins, acredita que a nova estratégia significa uma nova etapa do chavismo para fortalecer "o caráter ético" dos funcionários e daqueles que participam de organizações sociais, escreve a agência de notícias AVN.

    ​Com mais força e esperança renovada, nos preparamos para as novas batalhas pela estabilidade e prosperidade da Pátria, no próximo ano. Juntamente com o povo, faremos da Venezuela uma grande potência

    O presidente Maduro colocou no centro do debate o propósito fundamental no "plano anticorrupção": fortalecer a honestidade no serviço público como um dos pilares para alcançar a "paz" política em 2019, com apoio de setores internos da oposição.

    Mais:

    Embaixador: Moscou não descarta novos voos de aviões russos à Venezuela
    Venezuela alerta os EUA contra interferência após interceptar navio da ExxonMobil
    Moscou: Venezuela virou objeto de agressão norte-americana
    Tags:
    crise econômica, irregularidades, suborno, novo mandato, medidas anticorrupção, Hugo Chávez, Delcy Rodriguez, Nicolás Maduro, Caracas, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar