10:37 21 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Amazônia, República do Peru

    Fazendeiro usa antigas receitas espanholas para salvar flora da Amazônia

    CC BY 2.0 / Véronique Debord-Lazaro / Amazônia, visão do céu
    Américas
    URL curta
    261

    O homem criou um viveiro de árvores ameaçadas pelo desmatamento e garante ter conseguido realizar germinação massiva de espécies sem uso de produtos químicos, informa AFP.

    O fazendeiro Enrique Lorente, que possui uma propriedade na selva peruana, assegura que antigas receitas naturais usadas por sua família nos campos de Zaragoza, Espanha, são capazes de conter pragas que afetam suas árvores, além de ter conseguido alcançar germinação massiva de espécies de plantas ameaçadas pelo desmatamento sem usar substâncias químicas.

    Lorente começou extraindo sementes de espécies selvagens, guardando-as em ambiente refrigerado na fazenda, e, posteriormente, plantando-as em um viveiro com temperatura e umidade iguais ao ambiente natural, de acordo com AFP.

    "Uma vez no viveiro, são alimentadas com nutrientes naturais produzidos pela equipe para fortalecer e acelerar o seu crescimento", informa o proprietário, que tem experiência de trabalho como curador de arte no seu país natal e no Peru.

    Além disso, o vinho e o açúcar são seus aliados para evitar que insetos ataquem plantações. Os elementos-chave são colocados em garrafas de plástico para atrair e capturá-los. Essa medida dá uma boa proteção contra Hypsipyla grandela, e esses componentes são capazes de espantar parasitas.

    As técnicas aplicadas em 13 hectares da propriedade de Enrique Lorente podem ajudar a reflorestar a Amazônia e rapidamente reverter os danos na região.

    Mais:

    Ibama nega autorização para franceses extraírem petróleo na Amazônia
    Preservação da Amazônia: políticas ambientais de Bolsonaro geram 'imprevisibilidade'
    Mensagem alienígena? Brasil tomba inscrições milenares na Amazônia
    Tags:
    flora, espanhol, receitas, fazendeiros, Amazônia, Peru
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik