22:08 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Comboio de veículos armados dos EUA nos arredores ocidentais da cidade síria de Manbij

    Imprensa americana revela motivo da renúncia do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis

    © AFP 2019/ DELIL SOULEIMAN
    Américas
    URL curta
    669

    A saída do chefe do Pentágono, James Mattis, da Casa Branca foi estimulada por uma conversa telefônica entre Donald Trump e seu colega turco Recep Tayyip Erdogan, na qual o presidente dos EUA decidiu retirar tropas da Síria, revelou a Associated Press.

    De acordo com as fontes ouvidas pela agência, o apelo ocorreu no dia 14 de dezembro — apenas um dia depois do secretário de Estado Mike Pompeo e o chanceler turco Mevlut Cavusoglu concordarem em fazer os dois presidentes discutirem as ameaças de Erdogan em iniciar uma operação militar contra a milícia curda apoiada pelos EUA na Síria.

    As fontes afirmam que Trump, que anteriormente convenceu seu colega turco a não colocar as tropas americanas em risco, promoveu uma  reviravolta ao ficar ao lado de Erdogan, enquanto Pompeo, Mattis e outras autoridades de segurança nacional tentaram dissuadi-lo.

    “Os pontos de discussão eram muito firmes. Todos disseram que tentam oferecer à Turquia algo que seja uma pequena vitória, possivelmente mantendo território na fronteira, algo assim”, disse uma das fontes à AP.

    Erdogan supostamente lembrou a Trump que ele havia dito em várias ocasiões que a única razão para as tropas americanas manterem presença na Síria era a de esmagar o Daesh* (autodenominado Estado Islâmico), e que o grupo terrorista havia sido 99% derrotado. O presidente dos EUA imediatamente pediu a seu conselheiro de segurança nacional, John Bolton, para esclarecer por que as forças americanas permaneceram na Síria se as palavras de Erdogan eram verdadeiras.

    Bolton supostamente disse que o ponto de vista do presidente turco foi apoiado por Mattis, Pompeo, enviado especial dos EUA para a Síria Jim Jeffrey e o enviado especial para a Coalizão anti-Daesh Brett McGurk, responsável por afirmar que terroristas retinham apenas 1% do território que anteriormente controlavam. Ao mesmo tempo, Bolton insistiu que, na visão da equipe de segurança nacional, uma vitória contra o Daesh tinha que ser "duradoura".

    Trump então prometeu se retirar da Síria, deixando Bolton e Erdogan em estado de choque. Embora Erdogan o tenha advertido contra uma retirada precipitada, o presidente dos EUA reiterou que cumpriria sua promessa quando a conversa chegasse ao fim. 

    Embora as autoridades turcas ainda não tenham feito comentários sobre as alegações, o Conselho de Segurança Nacional dos EUA rejeitou a descrição dos eventos.

    “Em termos inequívocos, relatar toda essa história não é verdade. É claro no contexto que esta falsa versão dos eventos vem de fontes que não têm autoridade sobre o assunto, possivelmente fontes anônimas na Turquia”, disse o porta-voz do Conselho Segurança Nacional, Garrett Marquis, segundo a AP.

    Tags:
    Daesh, Associated Press, Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Mevlut Cavusoglu, Recep Tayyip Erdogan, Mike Pompeo, Donald Trump, Brett McGurk, Jim Jeffrey, John Bolton, James Mattis, Estados Unidos, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar