13:53 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump e o líder chinês Xi Jinping, durante negociações entre EUA e China no G20, na Argentina

    EUA estão perdendo 'batalha' pela África devido à obsessão de conter China e Rússia

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Américas
    URL curta
    12350

    A preocupação de Washington com a Rússia e a China está fazendo com que o país perca a oportunidade de investir em uma região onde a classe média está crescendo rapidamente.

    O conselheiro de segurança nacional do presidente estadunidense Donald Trump, John Bolton, apresentou uma nova estratégia dos EUA para a África. Novamente, a estratégia está concentrada em conter a influência política e financeira da China e da Rússia.

    Os EUA alegam que tanto a China, quanto a Rússia, estão empregando "práticas predatórias", visando impedir o crescimento econômico e interferir nos interesses militares e de segurança dos norte-americanos no continente.

    Entretanto, todo esse desejo dos EUA de conter a China e Rússia, como parte da nova estratégia de Washington, pode resultar em uma presença mais limitada no continente africano, o que significa que os EUA poderiam perder oportunidades de investimento em uma região que apresenta o maior crescimento da classe média do mundo, afirma o portal Bloomberg.

    Enquanto os EUA insistem nas mesmas prioridades estratégicas, a China passou os últimos anos investindo na África. O país asiático investiu em termos físicos e financeiros, postura também conhecida como "soft power", ou seja, poder brando.

    Os chineses aumentaram as bolsas de estudo para os estudantes africanos, enviaram seu pessoal para as missões de paz da ONU no Mali e Sudão do Sul, além de enviarem especialistas para ajudarem a resolver as principais necessidades econômicas e sociais.

    Além disso, o continente africano é parte fundamental do Cinturão Econômico da Rota da Seda, onde o presidente chinês, Xi Jinping, planeja investir em diversos projetos, como centrais elétricas na Costa do Marfim, um aeroporto no Ruanda e uma ferrovia no Quênia.

    Para o professor de relações internacionais da Universidade de Witwatersrand em Johanesburgo, na África do Sul, o conselheiro americano John Bolton não mencionou nenhum assunto de importância para os africanos, como a fome, o desemprego, o crescimento, os assuntos demográficos e a mudança climática.

    A China, por outro lado, está concentrando suas ações justamente nessas áreas, segundo Sherri Goodman, membro do Centro Internacional para Acadêmicos Woodrow Wilson, nos EUA.

    A especialista cita como exemplo a presença de técnicos chineses em projetos de fornecimento de água nas regiões afetadas pela seca em grande parte da África, um "salva-vidas" para as pessoas que vivem nesses locais. A China tem uma visão a longo prazo, além de entender quais são as necessidades dos países, ressalta Goodman.

    Mais:

    Rússia reforça aliança de energia com a China
    Trump deu comércio da China de presente para Rússia?
    O que EUA buscam na África? Analistas explicam a disputa pelo continente
    Tags:
    obsessão, especialistas, desenvolvimento, interesses, estratégia, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar