04:46 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras de Israel e dos EUA

    Investigação de Mueller sobre suposta interferência russa pode acabar em Israel

    © AP Photo / Jacquelyn Martin, Pool
    Américas
    URL curta
    840

    O procurador especial do Departamento de Justiça dos EUA, Robert Mueller, está se preparando para mudar o foco da investigação interminável do suposto conluio envolvendo a Rússia (Russiagate) para o Oriente Médio, onde pelo menos três países podem ter tentado participar de uma "interferência eleitoral".

    As acusações começam a ser feitas no início de 2019, informaram fontes próximas ao assunto. Elas também dizem que a equipe de Mueller tem discutido a possibilidade de apresentar acusações relativas à interferência eleitoral por cidadãos israelenses, dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita.

    Essas figuras bem relacionadas não só ofereceram assistência ao presidente dos EUA, Donald Trump, no seu caminho à Casa Branca – segundo informações publicadas pelo site The Daily Beast – como também tentaram se intrometer nas políticas uma vez que Trump chegou lá.

    "Se isso for revelado, isso seria como o surgimento de um submarino, mas sob um outro ângulo que não vimos", disse Harry Litman, um ex-advogado dos EUA com conhecimento da investigação.

    O tráfico de influências estrangeiras não é exatamente um fenômeno novo nos EUA. A Lei de Registro de Agentes Estrangeiros, originalmente destinada a combater a propaganda da Alemanha nazista, tem sido, durante décadas, algo que apenas os lobistas estrangeiros "oficiais" tiveram que levar em conta. Mesmo entre eles existem algumas exceções notáveis que incluem um país mencionado pelo Daily Beast.

    Mueller já indiciou alguns funcionários de Trump por coisas relacionadas a fazer lobby por potências estrangeiras. A alegação de culpa de Michael Flynn era por mentir ao FBI sobre seu trabalho para o governo turco. Todo o caso de Paul Manafort é sobre ele ser muito ganancioso com o dinheiro que ele conseguiu como lobista para a Ucrânia.

    O Daily Beast, é claro, parece muito satisfeito que a "investigação russa" esteja na trajetória "global", mas parece que eles estão em dúvida sobre como ela se encaixaria no mandato de Mueller, que tem sido investigar supostas conexões entre a campanha de Donald Trump e o governo russo. A resposta deles é que havia vendedores de influência do Oriente Médio, que se envolveram com os russos e com Trump. Ou talvez Mueller buscaria uma extensão de seu mandato.

    Ironicamente, para todo o zumbido da mídia, o próprio fato do conluio permanece elusivo e não comprovado. Até agora, Mueller indiciou alguns russos por supostamente hackear e-mails de democratas e fingir serem americanos enquanto postavam memes políticos. Se comprovado, isso pode resultar em interferência de Moscou. Mas esses casos podem nunca ser testados em um julgamento completo, considerando a proibição da Rússia de extraditar seus próprios cidadãos para países estrangeiros.

    Como o "conluio" na apuração de Mueller aparentemente se transformou em "interferência", pode acontecer que "Rússia" se transforme em qualquer país nomeado nas futuras acusações. Talvez isso traga finalmente para os holofotes da mídia norte-americana que o tão condenado encontro de Flynn com o embaixador russo foi, de fato, uma petição pelos interesses de Israel e contra a posição do então presidente Barack Obama.

    Mais:

    Ex-chefe de campanha de Trump se declara culpado de 'conspiração' e promete colaborar
    Twitter suspende quase 4 mil contas supostamente ligadas à Rússia
    Trump ameaça intervir caso FBI e o Dep. de Justiça 'não façam o trabalho deles direito'
    Tags:
    conluio, investigação, política, interferência russa, russiagate, The Daily Beast, Barack Obama, Harry Litman, Michael Flynn, Paul Manafort, Robert Mueller, Donald Trump, Oriente Médio, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Israel, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar