10:44 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Armas de fogo de artilharia do exército saudita em direção às posições houthis da fronteira saudita com o Iêmen.

    Senado dos EUA aprova fim de assistência militar aos sauditas na guerra do Iêmen

    © REUTERS / Faisal Al Nasser
    Américas
    URL curta
    862
    Nos siga no

    Foram votadas duas resoluções relacionadas à Arábia Saudita: uma para acabar com o apoio dos EUA à guerra do sauditas no Iêmen e uma segunda para prender o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman, responsável pelo assassinato do colunista Jamal Khashoggi, do Washington Post.

    A última, em particular, é vista como uma reprimenda ao presidente dos EUA, Donald Trump, por sua postura de não-comprometimento com o envolvimento do príncipe herdeiro na morte.

    O Senado votou unanimemente para condenar o príncipe herdeiro pelo assassinato do colunista.

    A votação final do projeto de lei para acabar com o apoio à guerra no Iêmen foi de 56 votos a favor, 41 contra. A resolução precisava de uma maioria simples para passar.

    Tecnicamente, o Congresso nunca autorizou o uso dos militares dos EUA no Iêmen, embora durante anos as forças dos EUA tenham reabastecido embarcações sauditas engajadas no conflito e fornecessem informações sobre alvos para os bombardeiros sauditas. As forças especiais dos EUA também ajudaram as forças sauditas em solo perto da fronteira com o Iêmen.

    A resolução obriga Trump a retirar quaisquer forças dos EUA envolvidas no conflito dentro de 30 dias, a menos que estejam envolvidas em operações contra a Al-Qaeda ou que o presidente faça um novo pedido de tropas no Iêmen e o Congresso assim o autorize. A legislação também prevê a volta de força militar em caso de aprovação de uma declaração de guerra ou um projeto de lei autorizando o uso de tropas no Iêmen.

    "Nenhuma autorização estatutária específica para o uso das Forças Armadas dos Estados Unidos com relação ao conflito entre a coalizão liderada pelos sauditas e os houthis no Iêmen foi promulgada, e nenhuma provisão legalmente autoriza explicitamente a prestação de assistência de alvos ou de serviços de reabastecimento no ar para aviões de guerra da Arábia Saudita ou dos Emirados Árabes Unidos que estejam envolvidos em tal conflito", aponta o texto.

    De acordo com um memorando interno do Pentágono, o Departamento de Defesa dos EUA não cobrava corretamente Riad por serviços de reabastecimento e combustível de aviação durante a campanha saudita contra o Iêmen, um descuido atribuído a "erros na contabilidade". Isso significa que os contribuintes americanos pagaram dezenas de milhões de dólares para reabastecer os jatos da coalizão saudita que atacam o Iêmen até agora, segundo estimativas.

    Tags:
    Congresso dos EUA, Departamento de Defesa dos EUA, Forças Armadas dos Estados Unidos, Al-Qaeda, Donald Trump, Riade, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Arábia Saudita, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar