07:05 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    A Frota Cáspia da Rússia lança mísseis de cruzeiro Kalibr-NK contra alvos do Daesh na Síria.

    Mattis: Retorno imediato da Rússia à conformidade com INF seria o 'melhor resultado'

    Ministério da Defesa da Federação Russa
    Américas
    URL curta
    718

    O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, disse nesta quinta-feira que o retorno imediato da Rússia à adesão ao Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) seria o melhor resultado da atual ameaça dos EUA em abandonar o compromisso.

    "Nosso melhor resultado seria que a Rússia retorne imediatamente à conformidade. E isso não é como uma armadilha para eles", disse Mattis. "Mais uma vez, há anos dois governos [e] vários aliados conversaram com eles sobre o retorno à conformidade. Portanto, essa não é uma expectativa irrealista."

    Na terça-feira, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que os Estados Unidos suspenderiam sua adesão ao Tratado INF em 60 dias, a menos que a Rússia retornasse ao cumprimento total do acordo. A Rússia negou repetidamente que viole o tratado.

    "É claro que a Rússia às vezes está provando ser um parceiro difícil em qualquer esforço positivo. Essa foi a razão para a discussão do secretário Pompeo ontem e a declaração de violação material", disse Mattis.

    Na quarta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, disse aos repórteres que os Estados Unidos ainda não forneceram evidências para sustentar alegações de que a Rússia está violando o Tratado INF. Putin afirmou ainda que se os EUA quiserem desenvolver armas proibidas pelo acordo, a Rússia seguirá o exemplo.

    O Tratado INF foi assinado em 1987 entre a União Soviética e os Estados Unidos. O acordo obriga as partes a destruir seus mísseis balísticos e de cruzeiro lançados do solo, cujas faixas de alcance sejam de 500 e 5.500 quilômetros.

    Tags:
    Tratado INF, Pentágono, Mike Pompeo, Vladimir Putin, James Mattis, União Soviética, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik