17:04 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Andres Manuel López Obrador

    Presidente esquerdista assume o poder no México após décadas de tecnocratas

    © REUTERS / Henry Romero
    Américas
    URL curta
    8182

    Andrés Manuel López Obrador assumiu a presidência neste sábado (1) como o primeiro mandatário esquerdista do México em mais de 70 anos, marcando uma virada em um dos experimentos mais radicais do mundo na abertura de mercados e privatização.

    Em seu discurso, o novo presidente prometeu "uma transição pacífica e ordeira, mas profunda e radical… porque acabaremos com a corrupção e a impunidade que impedem o renascimento do México".

    O México há muito tempo tinha uma economia fechada dominada pelo Estado, mas desde que entrou no Acordo Geral sobre Comércio e Tarifas em 1986, assinou mais acordos de livre comércio do que qualquer outro país e privatizou quase todos os setores da economia, exceto petróleo e eletricidade.

    Agora, porém, López Obrador fala de termos não ouvidos desde os anos 1960: ele quer construir mais refinarias de petróleo estatais e encoraja os mexicanos a "não comprar no exterior, mas produzir no México o que consumimos".  

    "A crise do México teve origem não apenas no fracasso das políticas neoliberais aplicadas nos últimos 36 anos", disse ele em seu discurso inaugural ao Congresso, "mas também na prevalência da corrupção mais imunda".

    A resposta mais desordenada do Congresso veio quando López Obrador prometeu "não perseguir funcionários de administrações passadas", dizendo que "a vingança não é minha convenção".

    Os legisladores responderam contando alto até 43, em referência ao emblemático caso de um grupo de estudantes desaparecidos desde setembro de 2014. López Obrador prometeu criar uma comissão da verdade para investigar o caso. 

    A promotoria afirma que eles foram sequestrados por policiais corruptos e entregues a traficantes de drogas — que os mataram e queimaram os corpos. 

    Combinado com um profundo senso de nacionalismo e seu próprio lugar na história, a posse de López Obrador é a mais popular e populista transferência de poder em décadas.

    Para enfatizar a transição, Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista Britânico, participou da posse depois de visitar López Obrador na véspera em sua casa no sul do México.

    Um comunicado do partido disse que López Obrador "enfrenta enormes desafios em sua missão de transformar o México, mas Jeremy espera que sua eleição ofereça aos pobres e impotentes do México uma voz real e uma ruptura com os fracassos e injustiças do passado".

    "No momento em que os falsos populistas da extrema direita estão ganhando terreno internacionalmente — inclusive na América Latina", continuou a declaração, López Obrador "mostrou que uma agenda progressista para a mudança pode conquistar o poder".

    López Obrador realizará outra cerimônia no final do dia na praça principal da Cidade do México, onde um líder das comunidades indígenas do México dará um símbolo tradicional de autoridade — um cajado. Uma grande celebração com música tradicional será realizada.

    O novo líder do país, de 65 anos, irá trabalhar no centenário Palácio Nacional e recusou morar na luxuosa residência presidencial. Ele continuará morando em sua casa particular.

    O Palácio Nacional também será aberto ao público. 

    Gabriela Barrientos, 71 anos, secretária aposentada, e Jesus Basilio, um vendedor de mercado, 55, estavam entre os primeiros a se alistar no portão para entrar no que Basílio chamou de "a casa do povo, um lugar emblemático em que poderemos entrar a primeira vez."

    Yaneth Fierro, 42 anos, uma dona de casa de Acapulco, expressou surpresa com o luxo do complexo, mas decepção com quartos completamente vazios. "Queríamos ver os móveis, mas a 'Gaviota' (o apelido da ex-primeira dama Angelica Rivera) levou todos eles."

    A transferência do poder começou à meia-noite, quando novos secretários do gabinete foram empossados ​​para postos-chave de segurança — uma tradição destinada a garantir que há sempre alguém no comando do Exército, Marinha e Departamento do Interior, a principal agência de segurança interna do país.

    A nova ministra do Interior, Olga Sanchez Cordero, disse em uma cerimônia depois da meia-noite que o novo governo "escutará a todos, a maioria e as minorias, porque em uma democracia todas as opiniões podem ser expressas".

    Mais:

    Trump e líderes do México e Canadá assinam novo acordo comercial para substituir NAFTA
    México rejeita pedidos de Washington para impedir que migrantes procurem asilo nos EUA
    Fronteira EUA-México tem confronto entre imigrantes e forças de segurança (VÍDEO)
    Trump ameaça fechar fronteira com México
    Militares usarão força letal na fronteira do México se for necessário, diz Trump
    Casa Branca fornecerá autoridade adicional às tropas na Fronteira EUA-México, diz jornal
    'Tsunami de migrantes': violência gera ameaça de deportação em massa no México (VÍDEOS)
    Tags:
    México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik