03:34 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras dos países-membos do NAFTA - EUA, México, Canadá (foto de arquivo)

    EUA, Canadá e México assinam 'novo Nafta' durante G20

    © REUTERS / Edgard Garrido
    Américas
    URL curta
    432

    Os Estados Unidos, Canadá e México assinaram um novo acordo comercial para a América do Norte nesta sexta-feira (30), o Acordo Estados Unidos-México-Canadá (USMCA, na sigla em inglês). O pacto é o substituto do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).

    Os líderes dos três países chegaram a um acordo para direcionar o mais de um trilhão de dólares de comércio que o grupo movimenta. As tratativas tomaram mais de um ano e meio. 

    O desfecho do acordo encerra uma grande fonte de irritação para a administração dos EUA — que agora enfrenta uma disputa comercial muito maior com a China. A expectativa agora está em um possível encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu homólogo chinês, Xi Jinping, durante a cúpula do G20 que ocorre em Buenos Aires, Argentina. 

    Canadá e México brigavam com os Estados Unidos sobre as palavras e os pontos mais delicados do acordo trilateral e ainda não haviam concordado apenas algumas horas antes de as autoridades se reunirem para assiná-lo no início da cúpula do G20.

    "Tem sido longo e difícil. Trocamos muitas farpas e um pouco de abuso e chegamos lá", disse Trump após a assinatura. "Tem sido uma batalha e batalhas, por vezes, fazem grandes amizades."

    O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, chamou o acordo pelo seu antigo nome de NAFTA, incitou o Trump sobre as tarifas de aço e alumínio dos EUA e disse que a decisão da General Motors de cortar a produção e sua força de trabalho norte-americana, inclusive no Canadá, foi um "duro golpe".

    "Donald, é mais um motivo pelo qual precisamos continuar trabalhando para remover as tarifas sobre aço e alumínio entre nossos dois países", disse Trudeau.

    O presidente do México, Enrique Peña Nieto, que premiou Jared Kushner, genro e conselheiro de Trump, com a mais alta ordem do México para estrangeiros, foi mais caloroso. Em seu último dia no cargo, ele disse que o novo acordo foi forjado com a "firme crença de que somos mais fortes e competitivos".

    O USMCA ainda precisa ser aprovado pelo Legislativo dos 3 países. 

    Mas o cenário dos EUA vai mudar significativamente em janeiro, quando os Democratas assumem o controle da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos em janeiro, após vencer as eleições de meio de mandato em novembro. A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, prometeu "examinar minuciosamente" o novo pacto.

    No entanto, Trump e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, disseram na sexta-feira estarem confiantes de que o acordo passaria pelo Congresso.

    "Foi tão bem revisado que não espero ter muito problema", disse Trump.

    Trump prometeu renovar o NAFTA durante sua campanha eleitoral presidencial de 2016. Ele ameaçou demoli-lo e retirar os EUA completamente durante a negociação, o que teria deixado o comércio entre os três vizinhos em desordem.

    Trump forçou o Canadá e o México a renegociarem o acordo de 24 anos porque ele disse que o pacto existente encorajava as empresas dos EUA a mudarem suas fábricas para o México, em busca de salários mais baixos. 

    Mais:

    Guerra comercial entre EUA e China abre janela de oportunidades para Rússia
    Especialistas: Visita de Bolton a Bolsonaro denota aproximação inédita entre EUA e Brasil
    Culpa pela fuga de latino-americanos da 'miséria e horrores' é dos EUA, diz Chomsky
    Coreia do Norte estaria criando aliança com Venezuela e Cuba contra hegemonia dos EUA?
    Tags:
    G20
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik