04:26 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Migrants, part of a caravan of thousands from Central America trying to reach the United States, stand outside of the El Chaparral port of entry border crossing between Mexico and the United States, in Tijuana, Mexico, November 22, 2018

    Prefeito mexicano pede ajuda à ONU e avisa: 'não vamos pagar pelos imigrantes!'

    © REUTERS / Hannah McKay
    Américas
    URL curta
    110

    O prefeito da cidade mexicana de Tijuana, Juan Manuel Gastelum, criticou o governo por deixar a cidade indefesa ao se esforçar para cobrir as necessidades de cerca de 5 mil migrantes caravanas. Os recursos estão limitados ao limite e não suportarão mais, declarou.

    Tijuana, uma cidade na fronteira entre EUA e México, viu a chegada de um fluxo de migrantes centro-americanos que partiram em caravanas de Honduras e Guatemala no início de outubro, na esperança de chegar aos EUA. Segundo o prefeito, 4.976 migrantes chegaram à cidade, com a maioria deles abrigando um complexo esportivo, que as autoridades converteram temporariamente para abrigá-los.

    A presença de centenas de migrantes afetou a cidade, com confrontos entre moradores locais e hóspedes indesejados. A manutenção dos imigrantes custou a Tijuana uma quantia considerável — cerca de 550 mil pesos por dia [US$ 27 mil], disse Gastelum na sexta-feira, acusando o governo federal de resposta fraca à crise e relutância em dividir o fardo.

    "Não temos a infraestrutura necessária e suficiente para atender plenamente a essas pessoas para dar-lhes um espaço decente", afirmou Gastelum em uma coletiva de imprensa, acrescentando que não pagará pela estadia dos migrantes na cidade com o dinheiro destinado a os locais.

    "Eu não vou gastar o dinheiro da população, não vou criar uma dívida para Tijuana agora, da mesma forma, nós não fizemos isso nos últimos 2 anos", acrescentou.

    Acusando a administração do presidente que está de saída, Enrique Peña Nieto, de virar as costas para a situação cada vez mais difícil na cidade, Gastelum disse que Tijuana teve que apelar para organizações internacionais, incluindo a ONU, para assistência.

    "Estamos em uma crise humanitária e o governo federal deve ser responsabilizado!", escreveu Gastelum no Twitter.

    Gastelum, que está em oposição ao atual governo mexicano, tem expressado seu desprezo pelas autoridades federais e apoiado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Gastelum provocou polêmica depois que foi visto usando um boné vermelho com os dizeres "Faça Tijuana Grande Novamente", o que rendeu um endosso de Trump, que twittou que, como Tijuana, os EUA estão "mal preparados para essa invasão".

    Enquanto Gastelum não tem sido uma figura popular entre os cidadãos locais, com seu índice de aprovação em um único dígito, muitos parecem apoiar sua postura anti-migrante. No domingo passado, dezenas de manifestantes tomaram as ruas da cidade gritando "Tijuana primeiro" e "Vida Longa ao México".

    Uma fonte da preocupação crescente dos moradores é a crescente taxa de criminalidade associada aos migrantes caravana, que muitas vezes carecem de alojamento adequado, comida e serviços básicos.

    As autoridades municipais divulgaram novos dados na sexta-feira, que afirmam que 108 imigrantes centro-americanos foram presos até agora, incluindo 104 por infrações administrativas, como posse de drogas, intoxicação pública e distúrbios. Os 4 restantes devem ser processados por roubo, brigas e insultos às autoridades.

    Gastelum recentemente reagiu e foi forçado a pedir desculpas por chamar migrantes "vagabundos" e "maconheiros" preocupados com nada além de perturbar a "tranquilidade e segurança de Tijuana".

    Mais:

    Casa Branca fornecerá autoridade adicional às tropas na Fronteira EUA-México, diz jornal
    Presidente do México nega ter sido subornado pelo traficante El Chapo
    México abre fronteira para mulheres e crianças em caravana de migrantes rumo aos EUA
    Tags:
    imigrantes, caravana, Donald Trump, Enrique Peña Nieto, Juan Manuel Gastelum, Guatemala, Honduras, Estados Unidos, Tijuana, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik