18:18 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Caravana de milhares de migrantes se dirige do México aos EUA

    Militares usarão força letal na fronteira do México se for necessário, diz Trump

    © REUTERS / Go Nakamura
    Américas
    URL curta
    613

    O presidente dos EUA, Donald Trump, deu permissão às tropas estadunidenses para usar força letal, se necessário, na fronteira com o México, acrescentando que pode haver fechamento da fronteira no próximo mês.

    As declarações de Trump vêm apenas um dia depois que o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, disse que recebeu autorização para permitir que as tropas exibissem maior poder para ajudar a proteger os funcionários da fronteira.

    Cerca de 5.800 soldados da ativa foram enviados para a fronteira EUA-México para reforçar as defesas antes da chegada esperada de uma caravana de migrantes composta principalmente por hondurenhos.

    "Você tem muitos criminosos nessa caravana e a caravana ainda não chegou", disse o presidente.

    No entanto, Trump disse que a fronteira foi "fortificada" com cercas, muros e outras medidas para impedir a caravana de passar.

    "Eles não estão chegando. Não estamos deixando criminosos entrar em nosso país. Você tem que entrar legalmente, tem que entrar em um processo, e nós queremos que as pessoas entrem, porque eu tenho muitas, muitas empresas voltando nos Estados Unidos ", disse ele. "Precisamos de trabalhadores, mas eles têm que entrar legalmente. Queremos que eles entrem, mas eles têm que ser pessoas que querem trabalhar e querem fazer um ótimo trabalho para o nosso país. Eles entram por um sistema de mérito", acrescentou, enquanto acusava os democratas de quererem abrir as fronteiras.

    No início desta semana, a imprensa mexicana informou que pelo menos 600 pessoas da caravana migrante da América Central foram detidas pelas autoridades mexicanas depois de se recusar a pedir permissão para permanecer no México.

    Tags:
    caravana, força letal, migrantes, Estados Unidos, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik