13:26 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Militares dos EUA em Mossul, Iraque, 23 de novembro de 2016

    Especialista indica como 'pântano do Oriente Médio' pode levar Washington ao calote

    © AFP 2018/ THOMAS COEX
    Américas
    URL curta
    590

    Os EUA têm sempre se considerado como um país grande não apenas em sentido econômico, mas também no que tange a promover a democracia. Em que resultaram essas tentativas para o bem-estar da população estadunidense e estrangeira?

    Recentemente, a revista The American Conservative assegurou que a política de guerras "ilegais" e "antinaturais" pode acarretar consequências gravíssimas para os EUA, ou seja, sua "arrogância" ameaça levar os Estados Unidos ao calote. Para preservar o país, Washington precisa de revisar seus interesses nacionais, promovidos pelos grupos neoconservadores, opina a edição.

    O déficit orçamentário do governo federal dos EUA já superou 800 bilhões de dólares (R$ 3 trilhões), enquanto a dívida nacional se aproxima de 22 trilhões de dólares (R$ 83 trilhões), que é a maior dívida pública de toda a história da humanidade, relembra o autor.

    Mesmo tomando em consideração que há países muito mais pobres no mundo, se compararmos a dívida e o PIB, a crise nos EUA é inevitável, adverte a mídia. Ao mesmo tempo, alguns economistas acreditam que o calote dos EUA é impossível, porque o governo, teoricamente, pode imprimir a quantidade de dólares que precisar. Nesse caso, a hiperinflação causada pela impressão incontrolável de moeda levaria à desvalorização total do dólar e afundaria a economia global.

    O cenário traçado pelo jornalista é o seguinte:

    Quando o mundo deixar de confiar na capacidade dos EUA de pagar suas dívidas ou quando as taxas de juro se tornarem demasiado altas, os EUA seriam forçados a cortar seu orçamento e, como resultado, o "império" estadunidense irá colapsar, afirmou o analista.

    O especialista do Centro de Investigação dos Problemas de Segurança da Academia de Ciências da Rússia, o americanista Konstantin Blokhin, comentou a publicação em uma conversa com o serviço russo da Rádio Sputnik.

    "Estou de acordo com a opinião de que, em primeiro lugar, os EUA minam o bem-estar do seu próprio povo. Nas avaliações mais humildes, as despesas totais com as guerras no Afeganistão e no Iraque desde o ano de 2001 até hoje somam entre 6 e 7 trilhões de dólares [22,8 e 26,6 trilhões de reais]. Alguns dizem que eles podem ter gasto 10 ou até 15 trilhões [38 e 57 trilhões de reais]", relembrou, assinalado que estas somas são "astronômicas" até para uma economia tão sólida como a estadunidense.

    Assim, analisa o especialista, em vez de "se ocuparem" dos problemas internos e investirem em infraestruturas, os EUA "dispersaram" suas capacidades nessas guerras e "se atolaram" no Oriente Médio. Nisso, opina Blokhin, há uma espécie de ironia.

    "Todas essas guerras visam gerar o caos e a desestabilização, reforçar o controle da região, de maneira a permitir administrar os fluxos de recursos energéticos que vêm à Europa e à Ásia. Ou seja, controlar tanto seus aliados europeus quanto seus rivais, em primeiro lugar, a China", expressou.

    Porém, resume o analista, ao tentar realizar essa estratégia, os próprios EUA "exageram no esforço" e, além disso, perderam o momento, nos anos 2000, em que era possível conter a Rússia e a China.

    "Eles se atolaram no 'pântano do Oriente Médio' e, de fato, quando era possível, não aproveitaram a oportunidade para reforçar suas posições. É nisso que consiste a ironia desta situação", concluiu.

    Mais:

    Irã garante que seus mísseis podem alcançar bases e navios americanos no Oriente Médio
    Reino Unido abrirá grande base permanente no Oriente Médio, afirma imprensa
    General iraniano promete derrotar forças dos EUA no Oriente Médio em caso de guerra
    Tags:
    dívida pública, guerras, déficit, calote, China, Oriente Médio, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik