18:11 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Caravana de milhares de migrantes se dirige do México aos EUA

    Maduro diz que trato dos EUA com caravana de imigrantes mostra seu ódio frente ao mundo

    © REUTERS / Go Nakamura
    Américas
    URL curta
    986

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que o tratamento recebido pela caravana migrante por parte dos EUA evidencia que neste país governa a "supremacia racista" que odeia o mundo.

    "Nos Estados Unidos governa uma supremacia racista que nos odeia e subestima todo o povo, olhe como eles tratam a caravana migrante, apontando para eles com fuzis. Por desprezo racial se sentem superiores a nós. É o surgimento do neo-fascismo, tanto no norte como no sul", disse o líder venezuelano

    Ele também comentou que os EUA não conseguem compreender como a Venezuela ainda está de pé apesar de todas as tentativas de derrubar seu governo.

    "Eles não podem entender como depois de tudo que eles tentaram, chegando a realizar um atentado pessoal para me assassinar, o tempo passa e as pessoas da Venezuela estão em pé, marchando para o futuro", acrescentou.

    Maduro considerou que o seu governo está derrotando os "poderosos impérios", com sua união moral e cívico-militar.

    A caravana de migrantes partiu de Honduras para o México e os EUA em 13 de outubro, com cerca de 1.500 pessoas buscando asilo, sendo que outras milhares foram adicionadas ao longo do caminho.

    A ONU estimou antes da chegada ao México que a caravana era composta por cerca de 7.000 pessoas.

    Mais:

    EUA não têm plano de 'contato' militar com caravana de imigrantes, diz membro do governo
    Pentágono se recusa a fornecer militares para conter caravana de migrantes na fronteira
    Trump: pedras lançadas por caravana de imigrantes serão consideradas 'armas de fogo'
    Trump promete até 15 mil militares contra caravana de imigrantes
    Tags:
    caravana, imigrantes, Nicolás Maduro, EUA, México, Honduras, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik