12:03 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Paraguay flag

    Brasileiro preso no Paraguai é extraditado para os EUA

    © flickr.com/ Tetsumo
    Américas
    URL curta
    260

    O brasileiro Mahmoud Ali Barakat, preso no Paraguai, foi extraditado nesta sexta-feira para os Estados Unidos para ser julgado pelo suposto crime de lavagem de dinheiro.

    As autoridades paraguaias entregaram Barakat, de 40 anos, preso em junho em Assunção, a autoridades de segurança dos EUA.

    Um relatório da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai enviado à Agência Associated Press indicou que a prisão de Barakat foi feita a pedido do tribunal do Distrito Leste de Nova York.

    Policiais junto com funcionários do escritório do promotor local encontraram Barakat em 25 de junho em um escritório no centro da capital paraguaia, onde 2 supostos empreendimentos comerciais operavam: o Brazil Representaciones e o Planeta Cell, envolvidos em comércio exterior.

    No local foram apreendidos equipamentos de informática, documentos, celulares, cartões de crédito e cerca de US$ 22 mil em espécie, informou o relatório da Secretaria Nacional Antidrogas.

    Em maio, num prédio em Ciudad del Este, 320 km a leste de Assunção, foi apreendido o brasileiro Nader Mohammad Farhat, que tinha em seu poder a quantia de US$ 1,4 milhão. A Secretaria Nacional Antidrogas afirmou que é um parceiro comercial da Barakat.

    A corte do estado do sul da Flórida pediu a extradição de Farhat, que ainda está em andamento em um tribunal de Assunção.

    Autoridades judiciais paraguaias disseram que Farhat e Barakat são de origem libanesa.

    Mais:

    Paraguai retorna embaixada de Jerusalém para Tel Aviv, irrita Israel e agrada palestinos
    Novo presidente do Paraguai promete 'solidariedade' com Nicarágua e Venezuela
    Opinião: ‘mudança de comando no Paraguai é mais do mesmo’
    Tags:
    extradição, drogas, lavagem de dinheiro, Nader Mohammad Farhat, Mahmoud Ali Barakat, Brasil, Estados Unidos, Assunção, Paraguai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik