08:25 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Rifles AR-15 recém-fabricados em um suporte na Stag Arms em New Britain, Connecticut.

    Condenados à morte nos EUA pedem para serem executados por um pelotão de fuzilamento

    © AP Photo / Charles Krupa, File)
    Américas
    URL curta
    357

    Quatro homens no corredor da morte no Tennessee entraram com um processo que desafia a constitucionalidade de suas execuções iminentes e pedem uma alternativa à morte por eletrocussão no processo. No lugar de estar sentado na cadeira elétrica, eles pedem para serem mortos por um pelotão de fuzilamento.

    O processo foi aberto na sexta-feira, depois que o estado executou Edmund Zagorski na noite anterior. Zagorski pedira a cadeira elétrica no lugar de uma injeção letal de produtos químicos. Muitas execuções conduzidas por injeção letal nos últimos anos foram arruinadas à medida que os Estados se esforçam para encontrar drogas que substituam as que os fabricantes retêm para uso nas punições capitais.

    Os advogados de Zagorski argumentaram que a eletrocussão era mais humana do que o coquetel de três drogas usado no Tennessee, considerado por alguns especialistas como uma forma de tortura segundo a NPR.

    A Suprema Corte havia rejeitado o recurso de Zagorski, no qual ele pedia uma decisão sobre a constitucionalidade em ser forçado a escolher entre injeção letal e eletrocussão.

    Os quatro presos chegaram até mesmo a definir o lugar onde gostariam de ser mortos a tiros. "O processo diz que o Campo de Tiro Big Buck, em razão da Instituição de Segurança Máxima de Riverbend, pode acomodar facilmente o pequeno equipamento necessário para a execução por um pelotão de fuzilamento", informou o Tennessean de Nashville.

    Apenas Mississippi, Oklahoma e Utah permitem pelotões de fuzilamento, mas eles não são usados ​​normalmente.

    Tags:
    Tennessean, Instituição de Segurança Máxima de Riverbend, Suprema Corte, NPR, Edmund Zagorski, Mississippi, Oklahoma, Utah, Nashville, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik