01:46 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Edifício do Departamento de Estado dos EUA em Washington

    EUA pretendem gastar US$ 40 milhões para combater 'propaganda' russa, chinesa e iraniana

    © AP Photo / J. Scott Applewhite, File
    Américas
    URL curta
    715

    EUA pretendem investir US$ 40 milhões para combater desinformação e propaganda estrangeira, inclusive da Rússia, China e Irã, declarou aos jornalistas nesta terça-feira o representante do Departamento de Estado, Robert Palladino.

    "No final de setembro, Global Engagement Center (Centro de Engajamento Global, em inglês) repassou 40 milhões para apoio a iniciativas de combate à desinformação e propaganda divulgadas por outros Estados. Esse financiamento reforçará outros esforços no combate à desinformação russa, iraniana e chinesa, voltada para público internacional", disse o oficial norte-americano. 

    Palladino acrescentou que essa iniciativa contempla a implementação de tecnologias de "aviso antecipado sobre desinformação estrangeira", bem como a análise da desinformação publicada e o desenvolvimento dos laços com imprensa locar, de modo a "aprofundar essa desinformação". 

    Washington acusou a Rússia, em diversas ocasiões, de ter interferido nas eleições norte-americanas por meio de manipulação de informações na internet e de sua "máquina de propaganda". Moscou classifica essas acusações de infundadas e aponta para o fato dos EUA nunca terem reforçado as suas declarações com provas.

    Mais:

    Facebook e Twitter negam interferência da China nas eleições dos EUA
    Trump: China é 'maior problema' que Rússia quanto à interferência nas eleições
    Pence: 'Interferência' russa nas eleições americanas 'não é nada' comparada com a chinesa
    Trump diz ter evidências de ‘interferência chinesa' nas eleições deste ano nos EUA
    Facebook monta 'sala de guerra' para enfrentar interferência nas eleições no Brasil
    Google é advertido sobre interferência em eleições na Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik