09:36 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Bombeiros

    Igreja de 150 anos é consumida por fogo após queda de raio nos EUA (VÍDEO)

    CC0 / Pixabay
    Américas
    URL curta
    232

    Um grande incêndio destruiu a primeira Igreja Batista de Wakefield na noite desta terça-feira (23), reportou emissora CBS.

    A igreja foi totalmente destruída. Além disso, uma testemunha afirmou ter visto um raio caindo na instituição, que foi posteriormente consumida pelas chamas.

    O incêndio tomou conta do local em torno das 19h (20h em Brasília) desta terça-feira (23). Durante o incêndio, as chamas se espalharam rapidamente destruindo a torre de aproximadamente 55 metros de altura.

    Christian Bruno, que mora perto da igreja, afirmou ter visto o momento em que um raio atingiu a torre da igreja e em seguida já foi possível ver a fumaça e, então, as chamas se espalhando rapidamente. "Eu vi um raio atingindo a torre, e nós vimos a fumaça que foi precedida pelas chamas rapidamente", disse à emissora.

    Um raio atingiu a torre da igreja em um momento de instabilidade climática. Uma cidade vizinha estava esperando a chegada de um tornado.

    Outras testemunhas, que estavam no local, afirmaram que a igreja queimou rapidamente, enquanto escutavam o teto caindo e estalos das coisas sendo queimadas dentro dela. Além disso, o calor do intenso incêndio pôde ser sentido nas ruas ao redor do local.

    A igreja foi construída há 150 anos e fazia parte da história da cidade americana de Wakefield. Moradores e seguidores ficaram chocados ao saber que parte da história havia sido totalmente destruída durante o intenso incêndio.

    Autoridades informaram que todos foram retirados com segurança do local, não havendo feridos ou incidentes durante o incêndio.

    Mais:

    Avião cai e pega fogo em estrada na Califórnia
    'Misteriosa' bola de fogo no céu da Califórnia assusta internautas (FOTOS, VÍDEOS)
    Incêndio atinge escola primária em Londres (FOTOS)
    Tags:
    raio, fogo, igreja, incêndio, Inglaterra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik