07:43 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Míssil de Ataque Marítimo é lançado a partir do navio militar norte-americano USS Coronado (LCS-4), Califórnia, EUA, setembro de 2014 (foto de arquivo)

    Com armas 'suficientes para destruir mundo', o que está motivando acúmulo nuclear dos EUA?

    © Foto: Wikipedia/Marinha dos EUA/ Zachary D. Bell
    Américas
    URL curta
    11817

    Segundo o ex-congressista republicano Ron Paul, os EUA têm armas suficientes para destruir o mundo mais de 10 vezes e não precisam de um novo acúmulo nuclear.

    Ron Paul fez referência à saída dos EUA do Tratado INF com relação às ameaças nucleares, comentando que não acredita que possível saída dos EUA do tratado de 1987 venha a melhorar a segurança norte-americana.

    "Não vai nos fazer bem algum", afirma Ron Paul sobre as ameaças de Trump de sair do tratado assinado em 1987. Além disso, ele acredita que o complexo industrial norte-americano achará outra forma de justificar o desenvolvimento nuclear, que, no caso, seria a modernização da China, uma fonte de preocupação para o establishment militar dos EUA.

    Paul enfatiza que "isso significa que o governo americano e o complexo industrial militar desejam criar mais um lote de armas, devido aos chineses: ‘Os chineses estão fazendo todas aquelas armas, por que nós não podemos também? '".

    Confiante de que a China não seja o suposto motivo para a construção de novas armas nucleares, Paul declara que "nós temos armas suficientes, não apenas para se destruir, mas também para destruir o mundo mais de 10 vezes, e não precisamos nos preocupar por não termos armas suficientes ao redor".

    Donaldo Trump, anteriormente, já havia ameaçado deixar o tratado alegando que a Rússia não estava cumprindo suas obrigações relacionadas à produção de armas que seriam proibidas pelo Tratado INF, além da China, outra potência considerada ameaça pelos norte-americanos, inclusive alegando que os EUA construiriam suas armas nucleares até China e Rússia "recuperarem o bom senso".

    O Tratado INF é um dos poucos obstáculos diante da ameaça nuclear e considerado pelos países europeus uma estrutura de segurança, sendo um importante pilar da arquitetura da segurança europeia.

    O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário foi assinado em 1987, entre o líder norte-americano, Ronald Reagan, e o líder soviético, Mikhail Gorbachev, prevendo a eliminação dos mísseis balísticos e de cruzeiro, tanto nucleares como convencionais, com alcance correspondente a um intervalo entre 500 e 5.500 km.

    Mais:

    Rússia responderia à saída americana do INF inclusive por via militar, diz vice-ministro
    'Caos total na área de armas nucleares': senador russo prevê consequências do fim do INF
    'Era de esperar': o que está por trás dos planos de Trump de sair do Tratado INF
    Tags:
    ameaça nuclear, arma nuclear, tratados internacionais, tratado, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik