04:26 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente venezuelano, em uma noite de homenagem a Hugo Chávez em Moscou, no jardim Ermitage

    Maduro rejeita visão de Pompeo sobre presença da China na América Latina

    © Sputnik / Ruslan Krivobok
    Américas
    URL curta
    491

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, condenou nesta sexta-feira as declarações do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que pediu ao Panamá que "fique de olho" no relacionamento da China com países da América Latina.

    "Nós não aceitamos intrigas do Norte (referindo-se para os EUA) contra esta relação entre China e Venezuela […] Nós condenamos as intrigas de Mike Pompeo durante sua visita ao Panamá contra as relações na América Latina, no Caribe e na China", disse o presidente durante um evento em Caracas.

    Pompeo destacou durante sua estada no Panamá que "em algumas partes do mundo a China investiu e deixou os países em uma situação pior e isso nunca deveria acontecer".

    Panamá e China firmaram em 2018 acordos de cooperação, incluindo um para avaliar a possibilidade de construir um trem-bala entre Cidade do Panamá e da fronteira com a Costa Rica, a um custo de cerca de US$ 5 bilhões de dólares, e também um acordo de livre comércio.

    O governo venezuelano disse que os EUA temem a expansão da China pela América Latina porque consideram essa região como "seu quintal".

    Da mesma forma, o presidente venezuelano manifestou apoio a seu homólogo panamenho, Juan Carlos Varela, disse que tem apoio em meio a alertas dos EUA e destacou o sucesso das relações entre seu país e a China, porque assinalou que elas são baseadas no princípio de "vencer, vencer".

    Mais:

    Maduro cria 6 regiões produtivas estratégicas para recuperar economia da Venezuela
    Nicolás Maduro diz que os EUA deram a Colômbia a ordem de assassiná-lo
    'Temos tempo para reagir ao nascimento do fascismo na América Latina', diz Maduro
    Tags:
    crise na venezuela, chineses, economia, diplomacia, Juan Carlos Varela, Mike Pompeo, Nicolás Maduro, América Latina, China, Panamá, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik