17:57 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Hillary Clinton dá uma palestra no Edmund Burke Lecture Theatre, Trinity College, em Dublin.

    Hillary Clinton é criticada no Twitter por acusar Trump de insistir em 'ataque hacker'

    © AP Photo / Brian Lawless/PA
    Américas
    URL curta
    502

    Após as acusações do presidente dos Estados Unidos contra Hillary Clinton de supostamente conspirar com a Rússia em 2016, ela lembrou que Trump teria incitado russos a "hackear" os e-mails dela naquele mesmo ano durante um comício.

    A ex-candidata à presidência dos EUA, Hillary Clinton, confrontou novamente o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em sua conta no Twitter, acusando-o de supostamente pedir à Rússia que a "hackeasse" na televisão nacional. O discurso do Twitter veio em resposta às acusações de Trump de que Clinton havia conspirado com a Rússia durante a eleição presidencial de 2016 para supostamente influenciar seu resultado.

    Em seu tweet, Clinton apitou a manifestação de Trump em 2016, onde ele expressou sua esperança de que a Rússia descobrisse os e-mails perdidos da conta de e-mail particular de Clinton, que ela supostamente enviou e recebeu sem observar protocolos de segurança durante seu período como secretária de Estado.

    O tweet de Clinton foi recebido com várias reações pela comunidade de mídia social. Muitos usuários notaram que as demandas de Trump eram bem fundamentadas, uma vez que ela supostamente violou a lei usando sua conta de e-mail pessoal para se envolver em correspondências classificadas — e então destruiu a evidência de sua má conduta.

    Outros lembraram que foi o Partido Democrata, que ela representou como candidata nas eleições de 2016, quem pagou milhões de dólares para compilar o chamado "dossiê Steele" sobre Trump. O documento continha informações comprometedoras e, em alguns casos, comprovadamente falsas sobre o republicano.

    Ainda assim, muitos twitterians apoiaram a posição de Clinton em Trump, chamando seu discurso em 2016 de "traição".

    Trump e sua equipe estão sendo investigados por alegações de conspiração com a Rússia para influenciar o resultado das eleições presidenciais de 2016. Trump, por sua vez, negou as acusações e afirmou que Hillary Clinton e o Partido Democrata supostamente estavam em conluio com a Rússia. O conselheiro especial Robert Mueller, que conduziu uma investigação sobre o assunto, até agora não encontrou nenhuma prova de conluio entre Trump e o Kremlin.

    Moscou nega as acusações de ambas as partes, dizendo que nunca se coniventou com nenhum candidato e nunca se intrometeu nas eleições dos EUA.

    Tags:
    Partido Democrata, Kremlin, Robert Mueller, Donald Trump, Hillary Clinton, Moscou, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik